Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

... coisas do Sherpas!!!...

... comentários sobre tudo, sobre nada... imagens diversas, o que aprecio, críticas e aplausos, entre outras coisas mais!!!...

... coisas do Sherpas!!!...

... comentários sobre tudo, sobre nada... imagens diversas, o que aprecio, críticas e aplausos, entre outras coisas mais!!!...

22
Out06

... o marquês e... os leões!!!...

sherpas

… como passagem obrigatória, abrindo caminhos para a nova Lisboa, mesmo ao cimo da Avenida da Liberdade, deixando lá em baixo a Zona Pombalina, fazendo rotunda no início do Parque Eduardo VII, dando passagem para as novas avenidas, as oitocentistas, mais modernas, ainda actuais, apresentando traços mais alargados sob a égide do omnipresente, fero, bem ladeado por leões, (... nos dias de festa verde, é evidente!!!...) tal como ele, forte, másculo… impondo sua vontade, dispondo de espaços, de almas, da capital, do País, Sebastião José de Carvalho e Melo, Marquês de Pombal, Primeiro-Ministro no reinado de D. José I, se levanta em monumento, soberbo e orgulhoso da obra feita que se explana a seus pés, lá ao fundo, depois de cruel cataclismo que assombrou o Mundo no ano de 1755!!!...

 

… oriundo de família numerosa, doze irmãos… nasceu no ano de 1 699,  reinava D. Pedro II que morreu em 1706, início do reinado de João V o Magnânimo, perdulário faustoso, mãos largas tal que, quando faleceu, deixou, a seu filho José… um País empobrecido!!!...

 

… filho de fidalgo da Província, ali para os lados de Leiria, frequentou estudos de direito, cumpriu curto serviço militar… foi de abalada para Lisboa, feitio irrequieto e turbulento, teve o seu primeiro casamento com Teresa de Mendonça e Almada, por arranjo de família e através dum rapto consentido!!!... Os pais da recém-formada família tornaram a vida do casal num inferno continuado pelo que… decidiram retirar-se para as suas propriedades de Pombal!!!...

 

… mas, para entendermos melhor o percurso de tal figurão que se levanta altaneiro em estátua tão monumental, com rotunda que nos direcciona… quando a contornamos, como deferência permanente a quem nela se ostenta, ladeado por brutas feras, em pose de domínio absoluto sobre o que mandou edificar, que permanece, que continua como homenagem perpétua mantendo a denominação de Pombalina, avenidas amplas, abertas ao Tejo, ruas e travessas mais estreitinhas, edifícios aparentemente bem assentes, amplos, seculares… algo degradados, alguns recuperados, mantidos com a traça primeira, Praça do Comércio com estátua equestre de D. José I ao centro, ladeada pelos ministérios, Governo Central, em vias de se transformarem em Hotéis de Charme, cafés, pastelarias e bares para gente fina, com esplanadas convidativas donde emanarão, com o tempo… harmoniosas melodias, árias de encanto, pianos e violinos, doces visões de fraco político de agora, prenuncio que se anuncia… recuemos no tempo, uns anos alargados para compreendermos melhor este País de altos e baixos, de farturas e penúrias que se sucedem aflitivamente, para desgosto e sacrifício de todo um POVO que chora seus fados… quando canta!!!...

 

  “ A crise econômica de Portugal  – Ao se libertar, em 1640, do domínio espanhol, a economia portuguesa estava profundamente abalada. As sucessivas guerras em que Portugal participou ao lado da Espanha, contra a Holanda e demais potências, tiveram como resultado a quase completa ruína de seu império colonial. Portugal conservou as suas possessões africanas (Angola e Guiné) e o nordeste brasileiro, que foram reconquistados, mas perdeu, irremediavelmente, o controle do comércio oriental. O Brasil havia se tornado, sem dúvida, a mais valiosa possessão portuguesa.”

 

… depois de terem sido expulsos de Portugal, em 1640… mantivemos guerra  ao longo de muitos anos, Guerra da Restauração que se prolongaria ao longo do reinado de D. João IV, finalizada já no tempo de D. Pedro que governava como regente, conhecido como o Pacífico!!!... Por incapacidade de Afonso VI tornado rei aos treze anos de idade, por morte de D. Teodósio, o herdeiro natural, sob a regência de D. Luísa de Gusmão!!!...  Rebelde e arruaceiro, incapaz de assumir responsabilidades de Governo foi afastado e sua mãe entregou o Poder, mais tarde, a seu filho Pedro regente e rei de Portugal, altura em que se assinou o tratado de Paz com Espanha, em 1668, que após 28 anos de luta foi reconhecida, de novo… a nossa independência!!!... O País ficou empobrecido, depauperado por completo, por espanhóis, por guerras deles contra ingleses, holandeses e franceses, por guerras de libertação nossa… eis senão quando, boas notícias de terras do Brasil, ouro e pedras preciosas com fartura, tempos áureos se auguravam!!!...

 

… quando João, o quinto… recebeu o trono português, encontrou os cofres do Estado abarrotados, entregou-se ao que menos custa fazer, doador pertinaz, perdulário, amante das artes, gastador compulsivo, impulsionador do barroco que se implanta na arquitectura, na ourivesaria, no mobiliário, na talha, nos azulejos… em plena Guerra da Secessão não ligou muito às questões europeias, surgiu a Real Academia da História em Portugal, aumenta o ódio aos judeus, surgem algumas dificuldades económicas, por contrabandos do ouro vindo do Brasil, conhecido como Magnânimo… entregou a José, seu filho, o reino de pantanas, com problemas enormes, prementes… necessitando de atenção capaz, por volta de 1750!!!...

 

… de 1750 a 1755 assistiu-se à ascensão política, no Poder Central, de Sebastião José de Carvalho e Melo, ocorreu a hecatombe em Lisboa, o terramoto e maremoto que matou e arruinou toda a zona baixa de Lisboa, que horrorizou a Europa de então!!!... Pulso forte se levantou… enterrar os mortos, cuidar dos vivos, perseguir ferozmente os aproveitadores das vítimas, pior do que ratas quando devassavam casas e corpos prostrados!!!... Foi implacável com eles!!!...

 

… perseguiu e expulsou os Jesuítas de Portugal e das colónias, controverso nos ódios e nos amores, por atentado congeminado, não concretizado… ao monarca reinante, mandou matar todos os Távoras, implicados que estavam no acto planeado!!!... Já no fim da sua carreira fulminante, déspota, quiçá… dominador possante, vontade férrea e atroz, construtor da parte arruinada pelo terramoto, foi desterrado para vinte léguas da Corte, depois de ser julgado em 1779 por inúmeras queixas contra ele, onde o Marquês é acusado de abuso de poder, corrupção e fraudes várias. Sempre assim fomos… continuamos sendo, pelos vistos!!!... Não impede que lhe não tenham erigido uma das estátuas mais nobres e elaboradas desta cidade que amo, a nossa Lisboa!!!... Não por homenagem, por necessidade… tenho-a contornado tantas e tantas vezes, quando me direcciono na rotunda que a circunda!!!...

 

… por outras razões, futebolísticas e fanáticas, vitórias dos lagartos… por causa dos leões, gentes afoitas ascendem ao lado dele, da sua representação, figura petrificada que perdura, altaneira… colocam cachecóis verdes e brancos nos leões, nele também!!!... COISAS da HISTÓRIA, simples apontamento, com muitas falhas, a meu jeito!!!... Sherpas!!!...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Links

Os meus links

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D