Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

... coisas do Sherpas!!!...

... comentários sobre tudo, sobre nada... imagens diversas, o que aprecio, críticas e aplausos, entre outras coisas mais!!!...

... coisas do Sherpas!!!...

... comentários sobre tudo, sobre nada... imagens diversas, o que aprecio, críticas e aplausos, entre outras coisas mais!!!...

09
Out08

... cada um, tempera... consoante o "gosto"!!!...

sherpas
Sejam bem-vindos ao regresso do Estado. Foi isso no essencial que ontem anunciou José Sócrates no Parlamento durante o debate sobre a crise financeira. O primeiro-ministro não resistiu, como muitos humanamente não resistem, a um vago número ideológico. Acabou-se o fundamentalismo do mercado, a regulação "permissiva", o Estado mínimo. Sejam bem-vindos portanto a um mundo onde o Estado está de volta. Onde andava ele antes, apetece perguntar, que não o conseguíamos ver? Durante décadas, a economia mundial cresceu graças ao crédito fácil e democratizado, à energia barata e aos juros baixos. Mas tudo isso já deixou de interessar. Agora abram portas, acomodem-se, pacifiquem-se: vem aí o Estado, vêm aí a "mão visível".
... in

Comecemos por recordar o óbvio, já que o óbvio precisa agora de ser recordado. Não falo da América. Os mercados financeiros americanos andaram, sim, anos e anos numa roda-viva especuladora. Não que estivessem desprovidos de uma infinidade de regras e regulações. Mas, com a passividade e incompetência das autoridades centrais de fiscalização, não respeitaram essas regras e devem ser punidos por isso. Obama está certo: nem um cêntimo dos planos de recuperação para os executivos da banca de investimento responsáveis por esta balbúrdia. Ajude-se quem foi apanhado pela voragem e não tem culpa.
... in

Mas viremo-nos para Portugal porque ainda vivemos em Portugal. Sejam bem-vindos, dizem por aí, ao regresso do Estado. Ao Estado regulador mas também, como advertiu Sócrates, ao Estado investidor. É caso para algumas perguntas soltas: houve por acaso algum momento na História da democracia portuguesa em que o Estado não esteve omnipresente na vida económica e social? Algum dia Portugal conheceu o Estado mínimo e a desregulação sistemática de que falava ontem, em tom acusatório, Sócrates? E pode um país que chegou tarde ao mercado, tal como chegou tarde ao Estado social, meter--se em ataques tontos à "ideologia" do mercado? Tudo se admite de Jerónimo de Sousa, mas espera-se mais de José Sócrates.
... para bem do... País!!!...

Em épocas de crise, é sempre tentadora a demagogia. Não haja dúvidas: vem mesmo aí o Estado; está aí o Estado. E muita coisa irá evoluir na regulação nacional e internacional do sistema financeiro. Os mercados vão mudar, como os Estados vão mudar. Mas o Estado está aí para o que primariamente serve e não pode nunca deixar de servir: acudir a crises, garantir a segurança de pessoas e bens, impor o bem comum, proteger os mais dependentes, repartir os sacrifícios nos tempos complicados. Essa é ainda felizmente a nossa tradição histórica. O discurso de um Estado contra o mercado é que não nos serve de nada. Oportunismo ideológico não nos serve de nada. O "espectáculo" de Sócrates ontem na Assembleia não interessa.|

Jurista - pedro.lomba@eui.eu

   ... in DN!!!...

 

   ... tal e qual!!!...

 

   ... com alguns matizes meus... é evidente!!!... Nunca fui contra mercados, social e democrata verdadeiro me considero, dos que pensam que a "criação de riqueza" por parte dos privados deve ser regulada com eficiência, servindo para isso mesmo, repartir por quem necessita com a consequente criação de emprego, melhoria de vida e rendimentos dos mais carentes, equidade social, equilíbrio justo e mais harmonioso nos teres, nos haveres diminuindo abismo q´existe, fosso enorme entre ricos e pobres!!!... Sempre contestei as políticas dos oito e dos oitenta, os extremos originaram e originam choques tremendos, situações dúbias e injustas!!!... Paraísos e Infernos na TERRA, em PORTUGAL também... contestações que se prolongam ao longo dos tempos por causa do almofadão que o ESTADO deu sempre ao patrão, algumas migalhas ao mais reduzido, vencimentos curtos, deficientes serviços na educação, na saúde, na segurança social e na justiça que se pratica!!!... Não satisfeitos com isso, Sócrates e os antecessores... foram continuadores, com ligeiras diferenças, desse ESTADO sempre presente para certa gente, permitindo fortunas imensas, misérias d´escândalo, albergando políticas discutíveis, quase incríveis numa democracia de brincar, num socialismo envergonhado!!!...

 ... M. Thatcher!!!...

 

... não pretendo regresso ao passado, retrocesso seria... não encaro, nunca encarei mercados à rédea solta, ESTADO diminuto, quase inexistente como advoga certa gente!!!... Sobre o "palavreado" de Sócrates numa de ideologia em plena Assembleia da República, não a vejo como o digníssimo jurista apresenta... antes um recado para os defensores da privatização de tudo e mais alguma coisa (CGD - SNS - ANA - ÁGUAS - GALP - PT - RESERVAS d´OURO... sei lá que mais) à tripa forra, por se acaso!!!... Aproveitou a "onda"... deu no duro aos que estão desfasados da realidade actual, sem chama alguma, buscando uma saída para guerras que se mantêm, para liberalismos que nos conduziram a "isto"!!!... Fez bem em se demarcar... dos verdadeiros culpados, fez bem em querer mais ESTADO, fez bem em querer mais regulação no desregulado, fez bem em se distanciar da nacionalização TOTAL (PCP) fez bem em se alçar mais e mais perante alterne que não presta!!!...

 ... R. Reagan!!!...

 

... tenho-me espantado com tudo o que vou vendo, ouvindo e lendo por aí, jornais e blogs na NET, televisões e comentadores desvairados, culpas que atiram para os anteriores desde a Thatcher, passando pelo Reagan, culpas do Clinton... esquecimento do Bush, dos fracos líderes mundiais neoliberais, fazedores do que fizeram, quando passeiam, se enchem e recreiam, ocupam lugares, como se nada, teimosos que são mantendo opinião, cegos e tontos!!!... Ganâncias, maus empresários e maus banqueiros, gestores de medo... políticos q´emendam, não castigam, não afastam quando falam e tratam, dando mais ESTADO, contribuintes que pagam!!!... Tenho pena que se não decidam... na tal vassourada que s´impõe!!!... Pelos States, apesar das injecções contínuas de capital... futuramente terão mais guerras e guerras, políticas idênticas, independentemente d´Obama ou de McCain!!!... Eles... são assim, não mudam!!!... Enfim!!!... Sherpas!!!... 

 

... à portuguesa!!!...

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Links

Os meus links

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D