Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

... coisas do Sherpas!!!...

... comentários sobre tudo, sobre nada... imagens diversas, o que aprecio, críticas e aplausos, entre outras coisas mais!!!...

... coisas do Sherpas!!!...

... comentários sobre tudo, sobre nada... imagens diversas, o que aprecio, críticas e aplausos, entre outras coisas mais!!!...

30
Set10

... gosto da vida que tenho... LOL ... tanto AGORA... como antes, né???...

sherpas

 

… gosto da vida que tenho, entre litoral e interior… viagem contínua, apreciação crítica construtiva, não depreciando, chamando a atenção para as políticas que se vão fazendo, erradas porque desadequadas, escondendo defeitos, remediando, alindando, dando o jeito, mantendo males do passado, encostados aos “nuestros hermanos”, quando não temos ou desfazemos, pensando na célebre união, a tal Ibéria dos grandes pensantes, dos que aplicam capitais e outras COISAS que tais, apátridas sentimentais, mais virados para o prático, reduzidos a cifrões, misturando tudo e todos nas ganâncias que os pervertem, quando invertem valores, esquecem ou fazem por esquecer o que fomos… que já não somos, cada vez menos!!!... Quando comparo assimetrias entre regiões do mesmo País, o nosso, escandalizo-me, não me contenho e… escrevo sobre o que vejo, o que sinto, enquanto vou vendo e ouvindo!!!...

 

… tratar os nossos males, suprir as nossas carências… com as ferramentas e habilidades dos outros, mendicantes assumidos, compungidos e modestos, POVO que foi tão grande, quase choro de revolta, sem ser nacionalista bacoco, estando dentro do espírito europeu, mais um… entre tantos e tantos milhões, sem ilusões, não concordando com o que nos vão impingindo… Espanha, Espanha sempre!!!...

 

… por viver junto deles, por conhecê-los bem, respeitando… quando me apercebo que nos cobiçam valores, terras e posições, dinheiros aos milhões, nas suas aplicações, empreendedores, dizem, sorrio e penso baixinho que nos vão comendo o coco, mais uma vez!!!... A história repete-se, mansamente… sem conflitos declarados, numa paranóia economicista, deslumbrados que estamos pelos êxitos espanhóis, pensando que por tabela, bem encostados, à sombra… talvez nos toque, também!!!... É vê-los e ouvi-los quando prestam vassalagem ao Rei, subservientes… coniventes, apagados de repente!!!...

 

… por aqui, a níveis mais baixos, dentro da camada que gosto, população que trabalha… quando pode, recebendo pouco, quase nada, desenrascada como sabe vou distinguindo esquemas diversos, dum e doutro lado, nesta Ibéria que continua, quanto a negócios, de boa saúde… bem no fundo, quase de costas voltadas, embora digam o contrário, os mais elevados, excelsos incluídos!!!...

 

… que dizer do peixe espanhol, pescado em águas nossas, nacionais… que consomem e escoam, algumas sobras, nos nossos mercados, nos produtos que por aí vendem, os mais diversos, nas terras de que se apropriam, onde criam olivais, azeitonas que esmagam em lagares do lado de lá da fronteira, azeite da nossa origem, marca espanhola, claro… das instituições que perdemos, dos serviços que lá prestavam e obtemos agora no País do lado, pagando-lhes bem, toda uma série de empresas comerciais, banca e seguros… empresas de vulto, da comunicação, inclusive, energéticas com resultados positivos para lá, terras que são nossas e não no-las devolvem, continuando sendo… entre outras coisas mais!!!...

 

… e vamos assistindo a pequenas evasões, buscas incessantes, continuadas de compras com IVA,s mais curtos, trabalhos mais bem remunerados… desempregados que recebem subsídio que vão fazer umas horinhas, todos os dias, nas terras espanholas, vizinhas, a fim de evitar a hecatombe, de fazer face a despesas que se agudizam, terras desérticas, de velhos e crianças, de alguns serviços, ao longo do dia… sem progresso, por cá, mais dinâmicas e viçosas… a um passinho, ao longo de toda a nossa geografia raiana!!!... Votados ao abandono, quase, quase… sem dono, ao sabor da corrente que se sente, segundo o que os mais elevados preconizam, incentivam, dependentes… sob o jugo do “castelhano”!!!... A história, vai-se repetindo… com a bênção dos mais avisados, penso!!!...

... não apoio políticas destas, não sendo nacionalista bacoco… sinto-me vendido, aos poucos!!!... Ibéria ou Badelvas… dá no mesmo, desistimos, ainda por cima com entrega consumada da região que muito nos diz, quase nada a alguns, a Olivença da saudade, quanta inverdade e incúria na boca de certos trastes!!!... COISAS!!!... Sherpas!!!...

 

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.mad}{#emotions_dlg.sad}{#emotions_dlg.portugal}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.santarem}{#emotions_dlg.aveiro}{#emotions_dlg.portalegre}{#emotions_dlg.beja}

28
Set10

... Biblioteca Nacional... em obras!!!...

sherpas

 

O director vagueia pelo telhado da livraria da Biblioteca Nacional, com uma vista privilegiada para a nova ala da torre de depósitos. "Uma semana e a fachada fica pronta", atira Jorge Couto. Para quem lidera a maior biblioteca pública do país, em Lisboa, a obra já vem tarde: está em causa a preservação dos livros e a falta de espaço. Para quem a utiliza como ferramenta de trabalho, o que veio tarde foi o aviso de encerramento, afixado só a 8 de Junho. Esgrimem-se argumentos e o tema ainda vai ser discutido no parlamento. Entretanto as obras continuam e a expectativa lá dentro é que não parem até 1 de Setembro do próximo ano, o dia em que a biblioteca voltará a funcionar.

 

... in http://www.ionline.pt/conteudo/80561-biblioteca-nacional-em-obras-livros-salvos-uma-morte-anunciada


Por fora, a nova ala parece acabada. Por dentro, faltam acabamentos. Na nova sala de leitura, no rés-do-chão, as paredes envidraçadas deixam entrar a luz do final de tarde. É mais pequena que a que passará a ser a velha, e ainda não está decidido se será só para quem quiser consultar as colecções especiais ou para quem queira um cenário diferente de estudo.

A ampliação que estica a torre original em 33 metros de comprimento e 6300 m2 de área vai ficar concluída a 20 de Outubro, dentro do prazo, garantem a subdirectora Maria Inês Cordeiro e o arquitecto João Pardal Monteiro. Mas é a fase de remodelação que mais tem dado que falar. Arrancou nos últimos dias: as colecções guardadas nos últimos pisos deixam de estar acessíveis a partir de 1 de Outubro, mas já começaram a ser encaixotadas. Dia 15 de Novembro a sala de leitura fecha por quase dez meses.

Não é uma mudança "É uma remodelação. Não era possível fazê-lo de outra maneira", diz a subdirectora. A torre é praticamente o único depósito da biblioteca: guarda 3,5 mil milhões de livros e em alguns pisos já não há espaço para os depósitos legais. Ao todo são dez andares e subir ao sexto é uma aventura. O elevador de serviço, projectado para carrinhos de livros, mostra uma lotação máxima para 800 quilos e dez pessoas mas tem pouco mais que a largura de uma. No destino abre-se um corredor com 5,5 km de estantes de um lado e do outro - 55 km em toda a torre, para pouco mais de 20 funcionários todos os dias. Se o espaço é arrumado, as falhas estão à vista: as luzes e os interruptores parecem os de casas antigas e o ar não circula. "Está desactualizado, e com a maioria dos sistemas inutilizados", diz Pardal Monteiro. O problema vai consumir a maior fatia dos 8 milhões de euros de orçamento da obra iniciada em 2008. "Todo o sistema de aquecimento, ventilação e ar condicionado vai ser remodelado. Vamos instalar sistemas de combate a incêndios. Só tínhamos de detecção e extintores", explica a subdirectora.

No corredor do sexto piso há um aparelho que mede temperatura e humidade. É um dos primeiros dias de Outono e estão 25,6 o C quando o ideal seriam 18. "Há uma parte de envelhecimento dos livros provocada por estas condições, que não é visível a olho nu", explica Maria Inês Cordeiro. "Se continuasse assim, grande parte dos livros sofreria em 20 anos uma degradação aceleradíssima. Não temos limpeza de ar há mais de dez anos." E há ainda os aviões que passam rente ao edifício. "Temos caixas que têm aquele negro de quem tem a janela aberta e mora na Avenida de Roma." A diferença de dez graus tem impacto a outro nível, mais microscópio. Maria Inês Cordeiro mostra uma armadilha para pequenos insectos onde está um peixinho-de-prata. "Estes não gostam de papel, mas há outras espécies de bibliófagos consideradas pragas. Tornam os livros uma renda."

O plano para os próximos meses prevê 20 dias certos para remodelar cada um dos pisos, que terão de ser esvaziados. O objectivo é conseguir depositar no chão da sala de leitura nova, casa forte e sala de leitura velha - as únicas superfícies com capacidade para aguentar o peso - 20 toneladas de livros por dia, "O único espaço preparado para receber tantos livros seria a Torre do Tombo, mas também está cheia", diz a subdirectora. 

O ex-líbris Desce-se pela nova escada exterior até à cave onde está um dos ex-líbris da obra: a casa forte. São 700 metros, 400 para o cofre e um perímetro de segurança com menos de um metro de largura. "Não é possível passar uma lança térmica", explicam. Seria a única ferramenta capaz de furar 60 centímetros de betão e entrar num espaço onde estarão preciosidades como as primeiras edições dos "Lusíadas" ou uma cópia de "As Aves da América", do naturalista do século xviii John James Audubon, avaliada entre 4,5 e 6,6 milhões de euros. A casa forte vai ter videovigilância e ambiente antichamas, ou seja, se se acender um fósforo lá dentro não arde. "Não vai ser uma biblioteca de ponta, porque a crise não o permite", diz Pardal Monteiro, mas vai ser a biblioteca que sempre se quis ter - as fundações da nova ala já lá estavam desde a década de 1950 -, mais segura e moderna.

 

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.mad}{#emotions_dlg.smile}

26
Set10

... libertos!!!...

sherpas

… no limite da amargura,

na prepotência, no abuso,

débil reinado, pura loucura,

opressão que incomoda, perturba,

solto os cabelos ao vento, abro as portas que uso,

cavalgo palavras minhas, isolado, na imensa turba

 

deambulo,

porque me encaminho

liberto de qualquer amarra

revigoro,

não anulo aquilo que se escreve, narra,

procuro

mote que não imploro,

 

componho o que me apraz,

faço mais do que sou capaz,

 

pensamento como cavalo irado,

desembestado,

vou mais além do que posso,

martirizo ondas do vento,

fustigado,

provoco sons cavos, profundos,

inundo meu entorno, giro à volta d´outros mundos,

invoco o Pai como nosso,

 

calmo,

sossegado no meu retorno,

alivio penas, dores,

sensações, divinos sabores,

doce campina que atalho,

tarefa que me proponho,

 

pertinente,

acicato mente de doidos, afasto garras, dentes,

cadeados e correntes,

quebro música mais funesta,

recolho martírios que vivo, trago o coração cativo

nesta liberdade que sinto,

neste vento que me projecta,

neste cavalgar que sonho

quando escrevo, quando componho!!!... Sherpas!!!...

 

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.mad}{#emotions_dlg.sad}{#emotions_dlg.portugal}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.santarem}{#emotions_dlg.aveiro}{#emotions_dlg.portalegre}{#emotions_dlg.beja}

25
Set10

... não é tão bonito assim...

sherpas

 

… não é tão bonito assim, Mundo que mata, maltrata,

que persegue, julga gente sem culpa,

que finge que não vê o que, de pior, tem,

que usa como cobaias, vidas pobres, miseráveis,

que calca, escarra sobre carentes indesejáveis,

quando depara, não pára, machuca,

segue na fúria, senda do mal,

na mentira, na injúria, na peçonha abissal,

disfarça com palavras, com rezas, cantos,

as cordas com que amarra

santos inocentes, fomes, dores,

prantos continuados,

rostos parados,

chamas que se esvaem quando morrem,

caem,

pavios fumegantes,

visões degradantes!!!...

 

… não é tão bonito assim,

rosas, cheiros, montanhas idílicas,

cravos, jasmins, caminhos, carreiros,

lagos que se explanam,

águas azuis, vales formosos,

brisas refrescantes,

corpos dengosos, risos brilhantes,

felicidade a jorros,

 

barretes e gorros,

 

criação de espanto, construção maravilhosa,

pinturas, encantos, lugares bem formosos,

sons divinais, voz maviosa,

espúrias as dores, espasmos, gozos,

 

barretes e gorros,

 

… não é bem assim, que Mundo diferente

para tanta gente

pertinho do fim, degradação,

aberração, contradição,

quando se desfaz, quando incapaz,

se olha para dentro, se envergonha, ruboresce,

rosto de culpa, que intenta, que esquece

aquele outro irmão

que não recebe, estende a mão,

que morre sozinho,

na valeta, no escaninho,

que já não olha porque não pode,

porque não come,

se mata, corrói,

se olvida por completo, sem amor, sem afecto,

párias doutro País que se vê, não diz,

se… contradiz!!!...

 

… cantar amor, seja onde for,

gordo, luzidio,

arredio,

patamar bem distante, instado, instalado,

deprimido, estudado,

incompreendido,

afastado do fundo do Mundo,

de tudo,

drogado por excessos,

retrocessos,

cabisbaixo, sem recuo, vazias as vidas,

sem sentido, fúteis, loucas,

tão poucas,

 

nesta grandeza que não é tão bonita assim,

diferença, descrença,

farturas, loucuras,

escassez que se faz,

que se fez,

feridas pronunciadas,

chagas mantidas, disfarçadas,

sofridas!!!... Sherpas!!!...

 

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.mad}{#emotions_dlg.sad}{#emotions_dlg.portugal}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.santarem}{#emotions_dlg.aveiro}{#emotions_dlg.portalegre}{#emotions_dlg.beja}

20
Set10

... cascata!!!...

sherpas

 

… água da cascata que vergasta pedras milenares,

caindo de altos cumes em cachão,

abundante corrente dum degelo, sua fonte,

nascimento do que foi nuvem, agora chão,

líquido que se esparge,

rega que se deseja,

vida que se dissemina, absorve, criação,

 

outros tempos, outros ares,

puros retornos, ciclos sem mácula, repetitivos,

simplificação,

empurrão na pequena semente que desabrocha,

apelação do que frutifica

que dá o pão,

estendendo-se para lá do horizonte,

campinas vastas,

celeiros cheios, cânticos, odes,

trabalho dos pobres,

na pontinha do vento que sopra,

sussurro que me desperta,

recorda, me alerta,

 

imagens que tenho retidas,

dimensão tão distante,

afectos que marcaram percursos doutras vidas,

risos, coros, saltos, danças,

harmonia de quem colhe o que lhe dão,

integração,

natureza pletórica, pouco explorada, desconhecida,

recuada no sonho, recordação,

 

alguma ilusão, descoberta por descobrir,

um há-de vir, um ter que ser,

alguma confusão,

resposta curta, um encobrir,

época remota, décadas atrás,

um tanto faz,

sapiência incipiente,

pouca ciência naquela gente,

modéstia tão simples, mulheres com vestes,

papoilas silvestres,

searas tão fartas, agora gastas,

géneros distintos, agarração,

seguindo instintos, buscando o gosto

ao sol posto,

 

recostadas na palha, na eira aloucada,

sombras do nada,

suspiros do gozo,

sol de Agosto,

dias de canseiras, sabores do esforço,

amor ao pescoço,

abraço tão forte, entrega total,

tão longe, distante… natural!!!... Sherpas!!!...

 

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.mad}{#emotions_dlg.sad}{#emotions_dlg.portugal}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.santarem}{#emotions_dlg.aveiro}{#emotions_dlg.portalegre}{#emotions_dlg.beja}

20
Set10

... tem sido ASSIM... continuará SENDO???...

sherpas

... PORTUGAL AVANÇA... aos solavancos!!!...

 

… quem parte e reparte… e não fica com a melhor parte, ou é tolo, ou não tem arte!!!... Hoje apresenta-se o bolo, justifica-se o modo como foi elaborado, espécie de cozinhado que será nossa desdita ou promessa, consoante os que beneficiam ou contribuem ainda mais com os seus fracos recursos, mantendo abusos para os que engolem grossas fatias, passando fome de rapar, mantendo dieta que é imposta aos de sempre, como afirmo constantemente, quando me repito… porque sinto!!!...

... ACIDENTE de PERCURSO... na PRESIDÊNCIA!!!...

 

… o mal desta receita, como as anteriores… com algumas ervas de cheiro, extravagantes e enganadoras, pensadas com muito afinco, manipuladas com extraordinária eficácia, com muita lábia, com pareceres convincentes… ludibriando convidados, ausentes, as outras gentes que tudo vasculham, que pretendem que seja perfeito, cozinhado como deve, assentando nos ingredientes costumeiros, de origem demarcada… conforme os bons hábitos dos que se satisfazem com liberalismos pensados, de acordo com o que está acordado, facilitando os que comem muito, retirando aos que passam fome, mantendo determinada medida… nem demais, nem de menos, na conta certa, exacta, dando a entender que somos iguais, sendo tão diferentes… ao nível dos comensais, vai ser servido, outra vez!!!...

... CUMPRINDO MISSÃO... do PATRÃO!!!... 

 

… que a maneira de o cozinhar… não é má de todo, afirma o cozinheiro-mor desta união esquisita, vai no sentido certo, não é despesista como as passadas, chegará a todos, MAIS a alguns… uns restinhos à maior parte, aos pobrezinhos!!!... Para estes últimos… umas sobras, apostar nos eleitos, dar aos que já têm, fazê-los mais fortes ainda, competitivos face aos adversários, quanta taramela para tanta porta afogueada, quanto engano dos costumeiros, vasta gamela para os que comem e se refastelam!!!... Cada um com a sua… política de polichinelo, convincente e repetitiva que, por mais que se repita… já não convence ninguém, quedando mais aquém, cada vez mais!!!...

 ... colaboracionista da MISSÃO... na esquerda CONSERVADORA!!!...

 

… vão apresentar o dito… mostrar as suas razões perante o Parlamento, as populações!!!... Fatia enorme para as novas tecnologias fugindo ao essencial, a Portugal, aos seus habitantes em geral, desertificado, desmoralizado… augurando bons auspícios para alguns eleitos, os mais perfeitos, os escolhidos ou abençoados, os que comem fatia maior, pedacinho do Céu mais moderno e actual!!!... Pequeníssima parte dos que estão como sabemos, carregadinhos de dívidas, sem objectivos… fugindo para todo o lado onde é sítio, emigrando ou tangendo penas e fomes… oitenta cêntimos diários para mais de dois milhões, é obra, escassíssima sobra!!!... Portugal está adiado, vai estar… embora com a abertura de mais uns lares, de mais umas creches, apontamentos irrisórios para convencer simplórios!!!...

... colaboracionista da MISSÃO... na esquerda RADICAL!!!... 

 

… tudo isto por causa da TANGA que existe, que se mantém… do défice que nos atormenta, justificação que não serve, tapadeira dos planos capciosos e escusos com que nos tramam uma e outra vez, neoliberalismos que fizeram e fazem escola, que nos amolam, que engrandecem ou pervertem os que os concretizam, quando nos infernizam com taxas e impostos indirectos, quando nos assaltam os bolsos… sorrindo e desculpando acções, apontado ilusões, apertos de cinto de alguns, protegendo os criadores de riqueza (???...) que, quando os mencionam me fazem rir a bandeiras despregadas, criadores de NADA, de gente desempregada, me parece!!!...

... colaboracionista da MISSÃO... na direita mais EXTREMADA!!!...

 

… saúde que se descura, ensino que se malbarata, justiça que se não aplica, insegurança social… a que predomina, lei da selva!!!... Que se desenrasquem, que se afastem, que vão embora… que busquem lá fora, que mandem dinheiros quando emigrantes, que tragam bastante, que nos deixem em PAZ, como nos apraz!!!... Ele aí está, o bolo… por inteiro, sem habilidades extraordinárias, mais claro e transparente, para alguma gente… serviços diminuídos, falhas que se vão sentindo em qualquer instituição, mais parcimonioso quanto a despesas, enquanto passeiam, se manifestam SOCIAIS… os neoliberais de agora!!!...

... os de... SEMPRE!!!...

 

… quem parte e reparte… se não fica com a maior parte, ou é tolo ou… não tem arte!!!... Orçamento para 2 007… o grande feito, com tanto defeito, penso por mim!!!... Sherpas!!!...

 

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.mad}{#emotions_dlg.sad}{#emotions_dlg.portugal}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.santarem}{#emotions_dlg.aveiro}{#emotions_dlg.portalegre}{#emotions_dlg.beja}

 

15
Set10

Strategies to Stretch Your Dollar in South America

sherpas

THE first time I traveled to South America, in 1992, my mother told me, “We had to move the credenza at the office to see where you were on the bottom of the map!” I was in Ushuaia, at the southern tip of Argentina — a country that wasn’t exactly on most travelers’ must-see list.

... América do SUL!!!...

But now travel agents will tell you Argentina is “hot,” as Americans flock to Buenos Aires for its European flair mixed with local steak, tango music and wine.

 ... Buenos Aires!!!...

While Argentina and other South American countries are considered a bargain — at least compared with Europe — that common perception can be misleading, in part because the airfare to get there can cost more than $1,000, depending on where and when you fly.

 ... TANGO...

Even so, things like meals, cabs and coffee tend to be relatively affordable once you arrive, and places that aren’t quite as cosmopolitan as Buenos Aires can be more of a deal. Here’s how to get the most for your money, in the air and on the ground.

 ... Buenos Aires!!!...

Don’t Follow the Crowd

... fúria Argentina!!!...

I lived in Buenos Aires for two years and would definitely recommend a visit, but there are less expensive places to consider if you are on a budget.

 ... Machu Picchu!!!...

Peru, Ecuador and Bolivia are a lot cheaper than Argentina, Brazil or even Venezuela,” said Robert Reid, the Americas editor for the Lonely Planet guidebooks. He recommended Cuenca, Ecuador, as an economical option for anyone interested in Spanish-language programs, many of which are under $500 a week.

... Peru... 

“You stay with a family, you get all your meals and you have something to do every day,” he said. “It’s a wonderful travel experience, it’s cheap and you’re learning something.”

 ... el PUEBLO...

How much you can expect to spend also depends on where within each country you decide to go. Big cities like Rio de Janeiro tend to be pricier than smaller ones like Recife, on Brazil’s northeastern coast. And transportation costs can make the cost of traveling to places like the Amazon expensive. Still, there are ways to economize if you have your heart set on going somewhere remote.

Go With a Group

 

The firm Southwind Adventures (southwindadventures.com), which specializes in booking adventure trips to South America, offers an eight-day trip to Lima and into the Amazon from Puerto Maldonado, Peru, for $2,195 a person, not including airfare — if four to six people are traveling together.

... el PUEBLO... 

“The key is you have to be willing to go with other people,” said Tom Damon, Southwind’s president. The more people in your group, the more you’ll save since you’ll be splitting the cost of things like a boat into the jungle. If you don’t want to round up your own friends or family, you can join a group traveling on dates the company has set.

 ... Colômbia!!!...

Other ways to save on adventure tours are to book more than four months in advance to get an early booking discount — which can be as much as 10 percent off, Mr. Damon said. Or you can shift your itinerary so you spend less time in a place like Machu Picchu, where lodging can be expensive, and more time in places like the Sacred Valley of the Incas in Peru.

... Colômbia!!!... 

Even in the Galápagos Islands, there are affordable ships. Robert Becker, an adventure travel and diving specialist with Protravel International (protravelinc.com) said he has booked clients on the Floreana, a small yacht that can cost less than $2,500 a person for an eight-day trip, not including airfare.

... Galápagos... 

Rent an Apartment

... Galápagos...

One of the reasons cities can cause sticker shock is that hotels tend to cost more than some travelers expect — an average of $134 a night in Buenos Aires, according to Smith Travel Research Global, a hospitality research firm, and $155 in Rio de Janeiro.

 ... Lima vacation!!!...

Seth Kugel, who writes the Frugal Traveler column, recommends asking for a discount when you call to book a hotel, or negotiating in person when you arrive.

... Havana... em Cuba!!!... 

Another way to save is to rent an apartment instead, but stick with sites someone you trust recommends, since the Internet has become fertile ground for vacation rental scams.

 ... Havana...

A friend who used to live in Buenos Aires booked an apartment at BuenosAiresHabitat.com when he went back for a visit last year; he paid about $1,000 for a three-week stay.

 ... Recife...

A fellow travel writer has used ApartmentsBA.com, which is run by an American, Michael Koh.

... Rio de Janeiro!!!... 

Although the average one-bedroom listed on the site costs $125 to $150 a night, that includes Internet and local calls — and the 21 percent tax that would normally be added to your hotel bill.

... CARNAVAL... 

Buenos Aires seems to be the main place where such apartment rentals are common, though Mr. Koh also recommended Apartmentsrio.com for travelers headed to Rio. And Mr. Kugel said he has used rentflat.com.br to rent apartments in Rio, reporting all good experiences at great prices.

 

A Free (or Cheap) Stopover

 ... MÉXICO!!!...

If you’re planning to visit more than one city, you may get a better deal by working with a company like Exito Travel, which specializes in booking tickets to South America that involve multiple stops.

... MIAMI!!!... 

“Anybody who is going to a single destination can price search the lowest airfare,” said Todd Jones, president of Exito Travel. “Our key focus is to help somebody who wants to do more than fly to one city and return.”

{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.smile}... CHILE!!!... 

For instance, for a trip from Miami to Lima, Mr. Jones suggested adding a free stopover in Cartagena, Colombia, quoting $560 for a round-trip ticket on Avianca, including taxes. Flying from New York to Buenos Aires, he quoted $1,074 for a ticket on LAN Airlines with a free stopover in Lima.

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.blushed}... CHILE!!!...

Another money-saving strategy is booking an “open jaw” ticket, so you can fly to one city, like Lima, continue on with a flight to Cuzco (the jumping off point for visits to Machu Picchu), then fly home from Cuzco. That way, you can avoid buying an expensive domestic ticket, or what can be a grueling bus trip from Lima to Cuzco.

 ... ilha de Páscoa!!!...

“It’s a scary ride up and down some of those mountain passes,” Mr. Jones said.

 

Shopping for Savings

I didn’t do much shopping during my time in South America — and the wool sweaters I brought back from Chile were deemed “itchy” by those who received them as gifts.

 

But savvier shoppers report finding deals on high-end leather goods in Argentina, blankets in Bolivia, silver jewelry in Chile and bathing suits in Brazil, and even things like your favorite drugstore products may be a bargain in places like Buenos Aires.

 

Then there are the tempting but unwieldy finds you might remember years after leaving them behind — like all the furniture Mr. Reid spotted while working on Lonely Planet’s guide for Colombia.

 

“They have a bunch of great vintage furniture shops, and it was ridiculously cheap,” he said. “But there are probably easier things you can buy than sending furniture home.”

 

... make tourism... not WAR!!!... façam TURISMO... não façam GUERRA!!!... Sherpas!!!...

14
Set10

... irrompe como um trovão!!!...

sherpas

 

… pertinho, enorme carpa branca que se perfila,

alinha ao longo da igreja, paralelas que estão,

mais ou menos com a mesma dimensão,

num palco ornamentado com colunas justas,

dia sobre dia, quando se afina,

durante parte das noites quentes de Verão,

festa de bairro, da paróquia, tradição que se avivou,

assistência que se comprime, pessoas juntas

perante artista contratado, voz e música potentes

 

irrompem como um trovão na casa onde vivo,

tudo avassalam quando se espalham,

dão frémitos, causam incómodos,

constante provocação

que admito mas, interiormente não consinto,

não entendo quando me calo,

aguento, sofro, não falo,

 

é festa que tenho à porta,

 

gosto de ir, quando bem longe,

levado por vontade própria,

bem diferente quando nela, fazendo parte dela,

tão próxima, tão em cima quando se instala, se arrima,

num largo que tem Senhor e Fé com devotos,

vai para uns anitos bons, periódica, barulhenta,

vai massacrando, não se aguenta,

 

barulhos indefinidos, constantes,

largo do bom sossego que acabou

 

bem festivo se transformou,

 

saltos, solavancos, sons que avolumam,

vozes que esganiçam, parafernália que assusta,

excesso de luminosidade nos arcos que compõem

tudo que faz parte desta feérica realidade

que me diminui, que aceito,

 

contrafeito,

 

festa que tenho em casa, mesmo em frente,

por dentro, à volta, que me revolta o pensamento,

durante horas, determinado momento,

 

do festeiro p´rá paróquia, p´ró padre, p´ró feirante,

p´ró povo que gosta, anima,

mesmo em cima!!!... Sherpas!!!...

 

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.mad}{#emotions_dlg.sad}{#emotions_dlg.portugal}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.santarem}{#emotions_dlg.aveiro}{#emotions_dlg.portalegre}{#emotions_dlg.beja} 

12
Set10

... esfera!!!...

sherpas

 … melhor entregar-me à contemplação,

apreciar pormenor, detalhe mais oculto,

dedicar intensa devoção

ao minúsculo invertebrado,

ao rosáceo pôr-do-sol,

ao calhau que rola no chão

logo após encontrão,

movimento que lhe dão,

 

pontapé com despeito,

atitude, gesto irado de rejeição

quando nos envolve,

brusquidão, trejeito,

alguma fúria sem controle,

 

breve momento de introspecção,

atento ao que menos importa,

quase não nota,

escondido numa cavidade obscura,

às voltas sobre si mesmo,

procurando qualquer espécie de sustento,

bichinho de conta,

sem grande figura,

quase não desponta,

 

indiferente, como quem julga,

não culpa,

prepotente

perante o inútil inocente,

 

crepúsculo que ainda brilha,

chispas que reflectem na janela semiaberta,

tons doirados que esmorecem lentamente,

não esquecem o que viram,

quando estiveram

nas formas a que deram vida,

permaneceram ao longo dum dia luminoso,

beijaram, por igual, toda, qualquer matéria,

Sol libertador que inebria, revitaliza, cauteloso,

hediondo, formoso,

rochedo informe, lodaçal escuro, tenebroso,

 

intempérie que solta, agasta,

quando oculto, afasta

momentaneamente,

como quase sempre,

 

envergonhado pelo que acontece,

esconde, arrefece

lentamente,

raios que vão esmorecendo,

calafrio medonho me aflige

quando atinge fim do percurso,

afastado do seu zénite,

quase preso por um fio, difuso,

desenhos que vão esbatendo,

doirados, rebrilhando,

agarrados como quem nos vai chamando

para dimensão desconhecida,

outra vida,

 

promessa que fica pairando,

acalenta,

sustenta,

alquímica formatação descomunal

que altera, muda de local,

lamenta na complacência que sente,

contemplação

doutros mundos, doutros seres,

amalgamados nesta Terra que se desterra,

na rocha que se desagrega,

informe, feia,

desfeia,

 

intempérie que abate,

tudo calca, tudo nivela,

almofariz em que se realiza experimentação,

aligeira complexa criatura,

comprime num imenso montão,

sepultura imprópria, caixão,

quando desmembra, descura,

modéstia que avulta, prevalece,

figura que transfigura, mais singela,

face horrorosa que aparece,

matéria que somos,

prepotentes,

tão iguais, tão diferentes,

 

massa que se uniformiza,

eterniza

como bloco denso que se harmoniza,

compacto que não obstaculiza,

converte na eternidade que nos espera,

globo universal, esfera!!!... Sherpas!!!...

 

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.mad}{#emotions_dlg.sad}{#emotions_dlg.santarem}{#emotions_dlg.aveiro}{#emotions_dlg.portugal}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.portalegre}{#emotions_dlg.beja}

  

01
Set10

You Ain’t Seen This Before

sherpas

President Obama is embarking on something I’ve never seen before — taking on two Missions Impossible at the same time. That is, a simultaneous effort to heal the two most bitter divides in the Middle East: the Israeli-Palestinian conflict and the Shiite-Sunni conflict centered in Iraq. Give him his due. The guy’s got audacity. I’ll provide the hope. But kids, don’t try this at home.

 

... in http://www.nytimes.com/2010/09/01/opinion/01friedman.html?ref=opinion

 

Yet, if by some miracles the Israeli-Palestinian peace talks that open in Washington on Thursday do eventually produce a two-state solution, and Iraqi Shiites and Sunnis do succeed in writing their own social contract on how to live together, one might be able to imagine a Middle East that breaks free from the debilitating grip of endless Arab-Israeli wars and autocratic Arab regimes.

President Obama deserves credit for helping to nurture these opportunities. But he, Secretary of State Hillary Clinton, the Palestinian President Mahmoud Abbas, the Israeli Prime Minister Bibi Netanyahu, and the newly elected leaders of Iraq need to now raise their games to a whole new level to seize this moment — or their opponents will.

 

Precisely because so much is at stake, the forces of intolerance, extreme nationalism and religious obscurantism all over the Middle East will be going all out to make sure that both the Israeli and Iraqi peace processes fail.

 

The opponents want to destroy the idea of a two-state solution for Israelis and Palestinians, so Israel will be stuck with an apartheid-like, democracy-sapping, permanent occupation of the West Bank. And they want to destroy the idea of a one-state solution for Iraqis and keep Iraq fractured, so it never coheres into a multisectarian democracy that could be an example for other states in the region.

 

I hope that one of my personal rules about the Middle East is proved wrong — that in this region extremists go all the way and moderates tend to just go away.

 

Mr. Obama was right to keep to his troop-withdrawal schedule from Iraq. Iraqi politicians need to stand on their own. But this is tricky. The president will not be remembered for when we leave Iraq but for what happens after we leave. That is largely in Iraqi hands, but it is still very much in our interest. So we need to retain sufficient diplomatic, intelligence, Special Forces and Army training units there to promote a decent outcome.

 

Because all the extremists are now doubling down. Last week, insurgents aligned with Al Qaeda boasted of killing 56 innocent Iraqis. On Tuesday, Palestinian gunmen murdered four West Bank Israeli settlers, including a pregnant woman; Hamas proudly claimed credit. In Israel, Rabbi Ovadia Yosef, who heads the largest ultra-Orthodox party, Shas, used his Shabbat sermon to declare that he hoped the Palestinian president and his people would die. “All these evil people should perish from this world ... God should strike them with a plague, them and these Palestinians,” Yosef said.

 

Trust me, this is just the throat-clearing and gun-cleaning. Wait until we have a deal. Even if Israel agrees to swap land with the Palestinians so that 80 percent of the Jewish settlers in the West Bank can stay put, it will mean that 60,000 will still have to be removed. It took Israel 55,000 soldiers to remove 8,100 Jewish settlers from Gaza, which was never part of the Land of Israel. Imagine when today’s Israeli Army, where the officer corps is increasingly drawn from religious Zionists who support the settler movement, is called on to remove settlers from the West Bank.

 

None of this is a reason not to proceed. It is a reason to succeed. There is so much to hate about the Iraq war. The costs will never match the hoped-for outcome, but that outcome remains hugely important: the effort to build a decent, consensual government in Iraq is the most important democracy project in the world today. If Iraqi Sunnis, Kurds and Shiites can actually write a social contract for the first time in modern Arab history, it means that viable democracy is not only possible in Iraq, but everywhere in the region.

 

“Iraq is the Germany of the Middle East,” says Michael Young, opinion editor of The Beirut Daily Star and author of a very original book about Lebanon, “The Ghosts of Martyrs Square.” “It is at the heart of the region — affecting all around it — and the country’s multi-ethnic, multisectarian population represents all the communities of the region. Right now, what is going on in Iraq represents all the worst trends in the region, but if you can make it work, it could represent the best.”

 

The late Israeli leader Yitzhak Rabin used to say he would pursue peace with the Palestinians as if there were no terrorism and fight terrorism as if there were no peace process. That dual approach is one that Iraqi, Arab, Palestinian and Israeli moderates are all going to have to adopt. Mao said a revolution is not a dinner party, and neither is bringing revolutionary change to the Middle East. I hope the forces of moderation are up to it. The bad guys will be offering no timeouts. They know the stakes, and they will be going all the way.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Links

Os meus links

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D