Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

... coisas do Sherpas!!!...

... comentários sobre tudo, sobre nada... imagens diversas, o que aprecio, críticas e aplausos, entre outras coisas mais!!!...

... coisas do Sherpas!!!...

... comentários sobre tudo, sobre nada... imagens diversas, o que aprecio, críticas e aplausos, entre outras coisas mais!!!...

09
Out09

... aluvião!!!...

sherpas

 

... terreno sem vegetação, socalco que se sucede,

rasgo, ferida profunda, ruga de sofrimento,

superfície imensa que antecede

a possível desertificação

depois de enxurrada, aluvião,

imagem que me massacra, quando olho, quando penso,

quando lembro

casario que se compunha, alinhado por ruas, praças,

muito antes daquelas chuvadas,

quantas perdas, quantas desgraças,


era linda a povoação,

animada pelo gentio, sorridente, graciosa,

amor conseguido, intensa sensação

de paz, tranquila, preciosa,

lugar abençoado, limítrofes paradisíacos,

céus espelhantes, idílicos,

jardins com muita mata, flores em profusão,

{#emotions_dlg.cry}

relvados bem densos, cerrados,

cães, gatos, pássaros, galinhas, galos,

patos grasnindo nos lagos,

cavalos de passeio, como recreio,

homens e mulheres em comunhão,

casais com filhos, com filhas,

namorados,

sonhos, esperanças, ribeiros,

espaços abertos, terreiros,


uma que outra depressão, colina ou monte,

ligeiramente inclinados, devaneio,

sol amigo, convidativo, permanente,

chuvisco miúdo, esporádico,

vento... só de passagem,

trovão em surdina, impossível de acontecer,

som desconhecido, satânico, não seráfico,

convidativa paisagem

para nascer, viver, morrer,


céu na Terra, diziam quando a ela se referiam,

embevecidos,

apartada dos males deste, do outro Mundo,

excepção, esquecimento de quem destinava provires,

longe do mau olhado,

das agruras contínuas doutras paragens feras,

isolados, quase esquecidos,

agregado fino, de luxo,

dias que se completavam, iguais nos repetires,

sem altos nem baixos, tudo bem nivelado,

outros tempos, outras eras,


não há bem que sempre dure, nem mal que não nos surja,

ventania que se levanta, nuvens que se enovelam,

barulhos medonhos se ouvem,

coisa inusitada que espanta, assusta,

pequenos que nos sentimos quando os elementos se rebelam,

água que veio dos céus, dilúvios que não acabam,

ciclones, tornados, sons intensos que rugem,

casas que tremem nos alicerces, pessoas que fogem, temem,

algumas que são arrastadas, corpos esmagados, mortes em profusão,

árvores que voam pelos ares, tamanha confusão,

num ápice, Paraíso que virou Inferno,

obra do maléfico, do Demo,

cataclismo que tudo arrasou,

de pé, pouco ficou,


não há Paraísos na Terra,

tudo se vira, tudo se enterra,

possível desertificação

depois de enxurrada, aluvião!!!... Sherpas!!!...

 

08
Out09

... il cavaliere Berlusconi!!!...

sherpas

 

El primer ministro italiano, Silvio Berlusconi, ha dicho hoy que no dimitirá tras la sentencia del Tribunal Constitucional que ha invalidado la ley de inmunidad de los cuatro altos cargos del Estado. "El Gobierno continúa serenamente, con más ganas si cabe, ya que se considera absolutamente indispensable para la democracia y para el bienestar del país", ha asegurado a Radio Rai al comentar la decisión del Constitucional, que ha derogado la ley conocida como Laudo Alfano, que impedía que prosiguieran los juicios que tiene pendientes.


... in http://www.elpais.com/articulo/internacional/Berlusconi/italianos/veran/pasta/estoy/hecho/elpepuint/20091008elpepuint_10/Tes

 

El Constitucional italiano


Berlusconi se enfrenta a dos procesos penales graves

Silvio Berlusconi


A FONDO

Nacimiento: 29-09-1936 Lugar: Milán

 

Berlusconi ha añadido que ha gobernado sin esa ley desde 2001 a 2006 "y continuaremos" haciéndolo sin ella."Me defenderé más veces en los tribunales y expondré al ridículo a los acusadores mostrando a los italianos de qué material están hechos", ha afirmado el primer ministro, que ha entrado en el programa radiofónico. "Y también verán de qué pasta estoy hecho", ha sentenciado.


El presidente de la Cámara, Gianfranco Fini, ha dicho esta mañana que apoya a Berlusconi pero que el primer ministro "no puede olvidar su deber constitucional de respetar al Tribunal Constitucional y al Jefe del Estado". Por su parte, Antonio Di Pietro, líder de Italia de los Valores, ha pedido la dimisión de Il Cavaliere "por razones técnicas y no por odio personal". De Pietro cree que además Berlusconi ha obtenido un resultado que le sirve para ganar tiempo: "Evitó ser juzgado en el caso Mills por el tribunal que condenó al abogado británico y ahora el proceso deberá recomenzar desde el principio por lo cual no dará tiempo a terminar antes de que prescriba el delito".


"Viva Berlusconi"


La sentencia de ayer fue festejada por muchos lectores en las webs como un acto de dignidad que devuelve la credibilidad al país. No opinó lo mismo, ciertamente, el único perjudicado de la decisión. Berlusconi, saliendo del palazzo Grazioli, no se pudo contener y lanzó la siguiente arenga a las cámaras: "Yo sigo adelante. El Tribunal está politizado. Es de izquierdas y no es un órgano de garantía sino un órgano político. Debemos gobernar cinco años con o sin Laudo. Nunca creí en él porque una Corte Constitucional con 11 jueces de izquierdas es imposible que aprobara todo esto".


Luego, atacó a los periódicos de izquierda, a los programas de televisión de izquierda, e incluso al jefe del Estado, "que ya sabéis de qué parte está", dijo. Napolitano replicó que él es absolutamente imparcial y está de la parte de la Constitución. Para concluir, el primer ministro dijo: "A mí estas cosas me potencian. Seguimos adelante. Viva Berlusconi".


Contra Napolitano


Horas después, Il Cavaliere intervino en directo en el programa de la RAI Porta a porta, donde criticó de nuevo al presidente de la República, Giorgio Napolitano. "Él había garantizado con su firma que la norma era válida pero después no ha influido en los jueces de izquierda para que dieran el visto bueno a la ley", denunció.


A la misma hora en que el Tribunal Constitucional emitía su veredicto, los teletipos recogían noticias de un juzgado romano que explicaban con absoluta sencillez el origen de la larga y procelosa historia de empresa, poder, mentiras e impunidad que ha caracterizado la carrera política de Silvio Berlusconi.


Durante la audiencia del juicio contra el jefe de policía Mario Mori y el coronel de Carabineros Mario Obinu, acusados por no haber arrestado al capo mafioso Bernando Provenzano en 1995, un arrepentido de Cosa Nostra llamado Nino Giuffré lanzó acusaciones muy duras contra Marcello dell'Utri (mano derecha de Berlusconi desde los años setenta) y contra el movimiento político cofundado por ambos en 1993, Forza Italia.


Según este colaborador de la justicia, tras el arresto de Vito Ciancimino, alcalde mafioso de Palermo, en 1993, "la Democracia Cristiana y el Partito Socialista llegaron al ocaso y en Cosa Nostra nació un nuevo discurso político. Había que apoyar a un nuevo sujeto político: era Forza Italia".


El arrepentido aclaró que uno de los puntos de referencia políticos de la Cosa Nostra, tras el naufragio de los partidos históricos, fue siempre Marcello dell'Utri. El amigo siciliano de Berlusconi está condenado a nueve años en primer grado por asociación mafiosa, y estos días se celebra la causa del recurso en Palermo.


25 años en ascenso


El ascenso de Berlusconi desde la construcción, las televisiones privadas y los contactos con mafiosos (el convicto capo Vittorio Mangano vivió largo tiempo en su residencia de Arcore como mozo de cuadras), hasta el poder político y el triunfo en tres elecciones generales distintas ha marcado la historia del país en los últimos 25 años.


Aunque Berlusconi ha sido investigado e imputado decenas de veces, el hombre más rico de Italia ha logrado siempre salir indemne y fabricarse la inmunidad. Al tiempo, varios de sus colaboradores más cercanos han sido condenados, como el propio dell'Utri, o su ex abogado Cesare Previti (que sobornó en su nombre al juez que decidió el litigio por el Grupo Mondadori a favor de Berlusconi, ahora castigado en primer grado con una indemnización de 750 millones de euros). El Caimán siempre salió airoso. Pero ahora tiene miedo.

 

... percurso de vida... dum Cavaliere chamado BERLUSCONI!!!... Sherpas!!!...

07
Out09

... versos!!!...

sherpas

 

…versos, poemas, palavras que rimam, ou não,

com metáforas, com fonemas,

num entrecruzar, numa ilusão,

gritos raivosos, lancinantes… dores,

gargalhadas, estertores,

deslumbres vaidosos, encantamentos…amores,

espargidos, com voragem,

num momento…sentimento, descrevendo uma imagem,


são travos amargos, sorrisos d´encanto,

gargalhares tão sentidos, criança que surge,

emergindo dum ventre, de mãe com pranto,

halo beatífico, bênção q´irrompe,

tristeza q´afasta, esperança que urge,


um afago, um carinho, aos berros ou... baixinho,

com meiguice,

ordenando, incitando, como norma, como hino,

prosaicos, diversos, dispersos,

tanto faz,

para quem os traz,de quem os faz,


épicos tamanhos, fúrias de medo,

destruição com horrores,

são raivas, pavores,

hipocrisias, segredo,

aviltamento irracional,

contrários do bem, hino abismal.


dentro de nós,

desde tempos passados…dos avós,

continuam sendo poemas…simples versos,

palavras que brincam…rimam, muito sérias, indecisas…concisas,

necessárias…precisas,


desabrochar duma flor, paisagem tão linda,

união com amor, volúpia benvinda,

enternecimento q´assombra,

enleva conjunto, espaço grandioso,

harmonia como tema, num fundo formoso,


confusão aloucada, para uns…nada,

para outros, embalo, um afago,

quando musicados,

canções, para entes mui amados,


doces…ilusões,

faróis da liberdade, quando… revolucionários,

como a vila morena,

terra, saudade,

grande, imenso… calvários,

promessa serena, vida…com verdade,

instante…libertação,


que s´alcança,

que…avança,

num poema, numa simples canção,

nuns versos,

simples…dispersos,


sucessão d´imagens,

sons que se cruzam, palavras, frases…paragens,

quando s´escrevem…s´usam,

a nosso jeito, arrumadinhos,

com defeito, tanto faz…

para quem os traz, de quem os faz!!!... Sherpas!!!...

06
Out09

... INDONÉSIA!!!...

sherpas

 

LUBUK LAWEK, Indonesia — The arrival of heavy machinery in this tiny village on Monday allowed search teams to reach deeper into a region devastated by a series of landslides caused by the earthquake last Wednesday. But the delicate search for survivors gave way to large machines clawing away at wrecked buildings, twisted trees and mud-covered debris to find the dead.

 ... in http://www.nytimes.com/2009/10/06/world/asia/06indo.html?_r=1&ref=world

 

After heavy overnight rain, the Indonesian military and the police spent the day marching through thick mud, placing stakes wherever they could smell decomposing flesh. Several backhoes, provided by a local Indonesian business, managed to make their way to some of the most remote villages in the district of Padang Pariaman, like this one, about 50 miles from Padang, the provincial capital of West Sumatra.


In the late morning, one crew here unearthed the bodies of a pregnant woman and her two young daughters. Others began digging out the bodies of about 40 people swept away as they were celebrating a wedding.


The earthquake, with a magnitude of 7.6, struck the western Indonesian island of Sumatra last Wednesday evening, devastating Padang, a city of 900,000, and setting off landslides to its north.


Emergency workers have so far focused most of their efforts on Padang, where hundreds of large buildings collapsed, trapping many people inside. The Indonesian government said that it had counted more than 600 bodies, and that some 1,000 people were still missing. The death toll is certain to rise as workers penetrate the villages.


An official with the Indonesian Health Ministry estimated that more than 600 people could have been buried by the landslides, raising the potential toll beyond the United Nations’ estimate of 1,100.


A trickle of international aid organizations has begun arriving to help the search in the more remote areas, but coordination remains a problem. The leader of a small Japanese contingent that brought sniffer dogs said the group had come on its own after having trouble coordinating with the United Nations in Padang.


“I don’t think the United Nations considers this area a priority because it is, well, gone,” said the team leader, Kota Furukawa, of the Japanese Rescue Association. “No one is going to find survivors here.”


However, Winston Chang, who works in the United Nations’ office for disaster assessment and coordination, said he remained hopeful of finding survivors amid the debris from the mudslides.


“There are a number of aid groups going up there, but they are going at different times,” he said. “We still think there is a possibility of finding survivors.”


Stunned villagers who were lucky enough to be away from their villages at the time of the quake returned to search for family members. In some cases, entire extended families had been lost.


“I am brokenhearted,” said Apuak, 29, from Lubuk Lawek, who has been sleeping in a tent at a village nearby. “About 50 people from my family live here, and I haven’t been able to find them yet. I hope more help comes to help me find them.”


In one corner of the village, a backhoe had dug a large grave intended for a mass burial.


International aid workers fanned out across Padang Pariaman on Sunday and Monday, setting up posts for distributing food, water and medical supplies along the main road.


Aid groups, however, did not appear to have reached some of the winding back roads, where many residents who had lost their homes were sleeping beneath tarps. Children there lined the street desperately begging for donations from passing traffic.


In Padang on Monday, hundreds of residents jumped on motorbikes to witness the demolition equipment tear apart some of the city’s largest damaged buildings. For some residents, however, small moments of normalcy had begun to return.


Several hundred children, for instance, went to school for the first time since the quake, studying inside dozens of small schoolhouses set up by Unicef. Small businesses began to reopen, as did several of the city’s traditional markets, where residents busily bought and sold fruit, vegetables, fish and meat.


At the end of an alleyway in the Chinese quarter, an area affected particularly badly by the quake, a group of men hovered over a cockfight. Around the corner a father and his young son giggled as they played a game together.


Mark McDonald contributed reporting from Hong Kong.

 

... NOTÍCIA... pelas PIORES razões!!!... Somos... NADA!!!... Sherpas!!!...

05
Out09

... ventania!!!...

sherpas

 

… o vento levou, quando passou por cima dela,

quando mexeu com o cabelo,

quando soprou, é vê-la,


mal se mantém, inquieta, roupas em desalinho,

toda feita num novelo,

sem lenço garrido, nem vê-lo,


arrastado, numa pressa,

ondeando, de mansinho,

ao longe,

qual borboleta colorida, voando, sem destino,


numa fuga, numa ida,

tendo um ponto de partida, cabeça desprotegida,

moçoila desprevenida,


olhando, com pena, o adereço,

seu lenço,

seu toque, seu enlevo, mais não vejo,

sumiu,

o vento levou, quando surgiu,


num rompante, num repente,

falha,

falta que sente, meu lenço, teu lenço,

quando o recordo… penso,


era meu, quando o via,

sobre a cabeça, no lugar,

que adorno, fantasia,

tão garrido, chamativo, um retoque d´encantar,


dava um certo destaque,

ao rosto moreno, oval,

d´olhos doces, amendoados,

cabelos negros, com remate,

moldura farta, divinal, num corpo de espantar,


sorriso pronto, dentes alvos,

disposição tão distinta,

escravo, quase cativo,

muito antes do fugitivo,

vento que por ali passou,

que, num repente, arrebatou

aquele lenço… fugiu,


deixou um desalinho,

quando foi,

quando partiu, tristeza tão sentida,

naquela vida,

qual diva, tão produzida,

tão formosa, tão composta,

quando reposta, equilibrada,

não desalinhada,

ainda desgostosa,

pela perda d´adereço,

quando a vejo… penso!!!... Sherpas!!!...

 

04
Out09

... a República!!!...

sherpas

 

Amanhã comemoramos a República. Quase um século. Evocação feita num tempo em que a própria República devia interpelar-se sobre os destinos que quer trilhar à luz dos ensinamentos da velha República. Parece que não queremos aprender.

... in http://www.correiomanha.pt/noticia.aspx?channelID=00000093-0000-0000-0000-000000000093&contentID=458B10BA-916B-43A2-9A26-455FF04C72F4

Repetem-se erros que já a mataram uma vez, erros mais da natureza dos homens do que da natureza do regime.

Os erros do sectarismo, do clientelismo, do furor partidário, do desconhecimento das necessidades do país, e dos desafios que precisa de enfrentar, de homens municiados por ódios vesgos, por convicções intolerantes, por incapacidade para o diálogo, para o acordo, para ser diferente mas também conseguir ser igual.


Amanhã comemoramos uma República em contexto de crise. De desconfiança, de lutas que transformaram paixões em alucinações, que conduzem à arrogância, à auto-exclusão daqueles que têm obrigação de construir uma país mais feliz. O resultado das últimas eleições surge como um clamor silencioso de milhões de eleitores que não quer maiorias absolutas mas também não quer um país ingovernável. É um clamor que exige diálogo, que pede tolerância, que pede aos eleitos que ponham o seu país, o nosso país, acima da quezília retórica, do amuo, do ressabiamento. Um povo republicano que votou para que na diversidade encontrássemos a convergência necessária para salvar Portugal da tremenda crise.


E comemoramos a República. Vamos clamar pela liberdade, pela igualdade, pela fraternidade e pressente-se uma atmosfera política que nega essa utopia todos os anos renascida a 5 de Outubro. Que se maltrata, que não quer conjugar esforços, mais preocupados com as suas clientelas partidárias e as fixações ideológicas ou meramente associadas ao preconceito. Possivelmente, poucas vezes na história republicana recente houve esta tão premente necessidade de uma política culta, humanista, solidária, desprendida. E, possivelmente, nunca estivemos tão cercados pelos nossos próprios preconceitos, iludindo a história, ignorando a repetição de erros, soberbos, tontos, incapazes de descortinar mais futuro. Não sei como celebraremos o centenário republicano.


Os astros não indiciam bons augúrios, mas, como dizia Cássio a Brutus, escrito por Shakespeare, a culpa não é dos astros, mas dos homens. E os homens que nos governam, ou vão governar, estão obrigados à maior lição republicana: a liberdade é sinónimo de felicidade. Uma República infeliz não é uma República livre.


Francisco Moita Flores, Professor Universitário

 

... amanhã... 5 de Outubro de 2009/parece! Sherpas!!!...

04
Out09

... outonais!!!...

sherpas

 

... como tudo na vida, deu a volta, quase a medo,

na avenida larga, na praça, no vilarejo que fumega,

no vale ensombrado da serra,

ventania que anuncia outro tempo,

nuvem que ameaça, despenca,

castiga quando passa, mais instável, como norma,

trovoada que se forma,

lodaçal que tudo arrasta, período estival que se cerra,

tarde Outonal, solarenga, cheiro de castanha assada,

sem pregão adequado, coisa esquecida, passada,

 

bem conhecido o momento,

quentinha, boa, fruta d´época,

sensação que aquece a mão,

sabor que se renova no início da estação,

quando se descasca, quando se prova,


dias claros, manhãs frescas, vinho novo que se perspectiva,

veranito dos marmelos, roupa incerta q´incomoda,

tarde na praia que s´evoca,

folhas que rolam pelo chão, encarquilhadas como novelos,

castanhas, amarelas, que predominam,

nos tons que também cativam,

num arrepio que nos chega,

receio do que surge de repente, noite que pede conchego,

agasalho, doce sossego,

cobertor que nos afaga,

corpo q´envelhece, que se apaga,


gripe que nos cai em cima quando se não tem vacina,

receituário salvífico

para imenso grupo de risco,

cauteloso que pouco arrisca, sendo lesto, mais medroso,


buscando saída de luxo, noutras paragens mais quentes,

muito acima dos insolventes,

cortando voltas à endemia,

gastando alguns cobres, sem custos,

prevenindo dores, sustos,

gastando cabelos, criando rugas,

enquanto o tempo avança nos seus escapes, que são fugas,


não há males que não apanhes, nesse teu Verão constante,

sem saída no que t´alcança

apesar de doirada abastança,

nem que berres, nem que t´arranhes,


numa sucessão q´é desvario, elas aí chegam, aí vão,

renascer do que vai morrendo,

lembrando origem d´alguém,

pontitos que vão ficando, crocitos como desafios,

ave escura que volteia fazendo jus a seus pios,

agoireira assombração,

fechamento temporário logo a seguir ao Verão,

descansa tudo q´existe menos matéria que perdura,

s´esvai, quando esfarela,

se transforma no que já foi, perante aquilo que se tem,

sendo nada, sendo ninguém,


insolente que vai crescendo, apostando num erro tremendo,

querendo agarrar o que tem,

enganando... com pedra dura, boneco, saltimbanco,

inveterado palhaço,

cara de gozo, d´espanto, quando foge, se disfarça

à medida que o tempo passa

neste ou... em qualquer espaço!!!... Sherpas!!!...

 

03
Out09

... We Like Chicago, Too!!!...

sherpas

 

We would like to congratulate Rio de Janeiro for winning the right to host the 2016 Summer Olympics. It will be the first time that the Games are held in South America, and it is a fitting tribute to Brazil’s growing stature. That said, we have to ask: What was President Obama thinking when he flew off to Copenhagen to lobby the International Olympic Committee on behalf of Chicago?

 

in... http://www.nytimes.com/2009/10/03/opinion/03sat4.html?_r=1&ref=opinion

 

Times Topics: Olympic Games (2016)We don’t doubt Mr. Obama’s devotion to his adopted hometown. Or that Chicago would have been a great place for the Games. Leaders from all the other countries bidding showed up, too. And we don’t buy the posturing by Republicans who said that his trip meant he was neglecting the nation’s business. But in the midst of everything Mr. Obama is dealing with, who needs even a minor loss?


Mr. Obama has done important, courageous things to restore America’s standing. After George W. Bush, it feels good — and safer — to know that people around the world feel better about this country and about this president. One of Mr. Obama’s biggest challenges now is finding ways to fully leverage that good will into strong international leadership. And let’s face it, looking like a winner always helps.


As for why Mr. Obama went — especially if he wasn’t sure Chicago would win — here are two possible explanations: One, Mr. Obama, and his White House chief of staff, Rahm Emanuel, another Chicagoan, love a good competition; the other is that they have a tad too much confidence in Mr. Obama’s hortatory powers.


We like having an articulate, fiercely competitive president, especially one with such a strong moral compass. But guys, if you’re going to roll the dice, next time make sure the stakes are worth it.

 

... jogos Olímpicos de 2016, aproximação dos POVOS/tempo de PAZ!!!... Sherpas!!!...

 

02
Out09

... ópera!!!...

sherpas

 

... rua estreita, noite escura, jornal na mão,

assobio, convite que permite, pingos de chuva esparsos,

chegada de muitos carros,

portas que abrem, fecham,

moeda que se dá, arremetida p´ra outro espaço,

numa fuga, numa ânsia, chama a atenção

aos que param, estacionam,

repetição,


trajes de cerimónia, calça, casaca com rabo de grilo,

empertigados, figuras que desfaço,

vestidos lindos que arrojam pelo chão,

peitos ao léu, convidativos,

desejos escondidos, apelativos,

sedas, organzas, veludos,

estolas fofas, complementos,

borboleta, arrematando o pescoço,

negro escuro, alvura, pançudos,

entretenimento com espaventos,

carecas alvas, respeitáveis,

um ter que ver,

esforço,


invejáveis naqueles mundos,

a condizer

saída com emoção,

chapéus de chuva em riste,

cabelos em desalinho, vento que sopra,

chuva miúda, clarão,


indiferente, jornal como sinal,

manda parar,

ensopado, junto ao lugar que guarda,

que faz render, enquanto aguarda,

tagarelices próprias das senhoras bem postas,

junto aos que colocas,

olhando para quem não importa,

elevados no seu papel,

a um passinho do teatro,

naquele largo,

noite de ópera,


alguns acordes esvoaçam pelos ares,

tilintam copos, pratos, talheres... nos cafés,

onde se mata o tempo, por onde se passa,

aperitivo que se beberica, antes da função,

jornal na mão,

gestos díspares,

quase iguais, assobios, braços levantados,

manda parar,


todo molhado, contrastes,

corridinha com passos miúdos,

esganiçar, sons abafados,

indumentária rica dos que vão chegando,

rua estreitinha, noite escura,

trovão que se ouve, que se afasta,

risco no céu,

relâmpago enorme,

quanta fartura, gente com fome,

ida ao teatro,

La Traviata, uma palavra, um reparo,

tudo perpassa naquele espaço,


burburinho que se afasta,

porta ampla que engole aquela mole,

no hall, sururu, balbúrdia, cumprimentos,

momentos,

cabeças que rodam,

gestos esparsos, sorrisos de ocasião,

faz-se silêncio,

inicia-se a função,


vai-se afastando, moedas em punho,

vira costas, busca caminho,

pingos de chuva, trovão que se extingue,

corpo insensível,

ruído de música que se vai desfazendo,

noite de Verão, início de Julho,

clarão que ilumina, face gasta que se distingue,

olhos gulosos,

pressa repentina, dose que se deseja,

lugar escuso, compra, destino.

vida que se encurta,

inadmissível,


ópera trágica,

sem música,

estertor, suspiro, alívio,

agulha que enterra,

veia que consome,

noite tão curta, corpo que não dorme,

templo que se arruína, naquela ruinha,

sentado no chão,

sem calor, sem frio,

obsessão,

noite chuvosa de Verão,

mundos de costas viradas,

imprecisos, próximos, longínquos,

benéficos, maléficos... profícuos!!!... Sherpas!!!...

 

01
Out09

... c´os OLHOS postos... na CHINA!!!...

sherpas

 

BEIJING — China’s leaders marked the 60th anniversary of Communist Party rule on Thursday with a precision display of military bravado and a confident prediction by President Hu Jintao that “infinitely bright prospects” lie ahead for the world’s most populous nation.


Mao: The Great Helmsman of Kitsch? (October 1, 2009)

On Day for China Pride, Little Interest in Ideology (October 1, 2009) The dense blanket of smog that had covered China’s capital for days disappeared Thursday morning, leaving crystal skies and perfect autumn temperatures for the columns of armor and thousands of goose-steeping troops that paraded past Tiananmen Square and the Forbidden City.


“Today, a socialist China geared to modernization, the world and the future has stood rock-firm in the east of the world,” Mr. Hu said in a brief speech. The Chinese people “cannot be prouder of the development and progress of our great motherland.”


The morning-long ceremony, a once-every-10-years ritual, mirrored every past National Day event down to Mr. Hu’s drive-by review of his troops while standing in the open sunroof of a Chinese-made limousine. Television images showed Mr. Hu, wearing a Mao-style high-collared jacket, waving stiffly and calling out “Greetings, comrades!” through four large microphones attached to the automobile roof. Following tradition, the troops replied in unison, “Serve the people!”


To foreigners who saw news reports or watched on the Internet — Chinese television streamed the parade video in English and other languages — the proceedings may have had a decidedly Cold War cast. But the events were not designed for outsiders, said Malcolm Cook, who directs the east Asian program at the Lowy Institute for International Policy, a foreign affairs research organization in Sydney, Australia.


“The message is for the domestic audience first of all, to show the strength of China, especially now that China is a great power,” he said. Modern Chinese history emphasizes the humiliations China suffers at the hands of foreign invaders, he added, and “military parades show that you have significant capabilities that work well.”


The military journal People’s Liberation Army News stated in February that the parade “is a comprehensive display of the party’s ability to rule.” China’s military answers not to the government, but to the Communist Party.

 

... in http://www.nytimes.com/2009/10/02/world/asia/02china.html?_r=1&hp

 

The display of armor included a number of pieces, including a cruise missile and an aerial refueling tanker, that are relatively new to the Chinese arsenal. But analysts said there was nothing that had not been known to foreign military observers.


One notable change from past parades was the new prominence given to the People’s Armed Police, who were bit players in the past but appeared on Thursday in armored personnel carriers. The police are the government’s main internal security force and played crucial roles in suppressing ethnic disturbances in Xinjiang region in July and in Tibet in March 2008.


The military review was followed by a procession of gaily decorated floats in an array of themes, from the charms of China’s provinces to gigantic portraits of Chinese leaders to the bullet trains that are beginning to connect China’s major cities.


Sharon LaFraniere contributed reporting.

 

... CHINA... grande potência, escape pr´ó MUNDO económico/financeiro, contraste num só País/dois SISTEMAS!!!... Direitos humanos, ambiente destruído... GRAVES problemas vigentes, AINDA!!!... Sherpas!!!...

 

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Links

Os meus links

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D