Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

... coisas do Sherpas!!!...

... comentários sobre tudo, sobre nada... imagens diversas, o que aprecio, críticas e aplausos, entre outras coisas mais!!!...

... coisas do Sherpas!!!...

... comentários sobre tudo, sobre nada... imagens diversas, o que aprecio, críticas e aplausos, entre outras coisas mais!!!...

30
Out09

... el pescador de hombres...

sherpas

Es una tragedia: después de que el papa Benedicto XVI haya ofendido a musulmanes, protestantes y católicos reformistas, ahora le toca el turno a la Comunión Anglicana. Ésta comprende 77 millones de fieles y es, después de la Iglesia romana católica y la ortodoxa, la tercera confesión cristiana en número. ¿Qué ha ocurrido? Una vez conseguida la reincorporación a la Iglesia católica de la Fraternidad de San Pío X, hostil a la reforma, Benedicto quiere ahora rellenar las despobladas filas católicas con los simpatizantes anglicanos de la Iglesia romana.

 

Y como para ello es preciso que se les facilite el tránsito a la Iglesia católica, los sacerdotes y obispos mantendrán su estatus, también en lo que respecta al matrimonio. El mensaje es: ¡Tradicionalistas de todas las iglesias, uníos... bajo la cúpula de San Pedro! Mirad: el pescador de hombres pesca en la extrema derecha.

 

 

...in  http://www.elpais.com/articulo/opinion/pescador/hombres/pesca/derecha/elpepuopi/20091030elpepiopi_4/Tes

 

El Papa quiere rellenar las despobladas filas católicas con anglicanos de Roma

 

Benedicto XVI pretende restaurar a toda costa el imperio romano

Pero allí las aguas son turbias.

 

Esta acción de Roma supone un dramático cambio de rumbo: una desviación de la acreditada estrategia ecuménica de un diálogo entre iguales y un auténtico entendimiento. Por el contrario, se produce ahora un acercamiento a la captación de sacerdotes a los que incluso se exime de la obligación medieval del celibato sólo para posibilitarles un retorno a Roma bajo el primado del Papa.

 

Evidentemente, el actual arzobispo de Canterbury, el bienintencionado Rowan Williams, no ha estado a la altura de la taimada diplomacia vaticana. Parece que en su intercambio de zalamerías con el Vaticano no se ha dado cuenta de cuáles son las consecuencias de la expedición de pesca papal en aguas anglicanas. De otro modo no hubiera suscrito con el arzobispo católico de Westminster un comunicado en el que se resta importancia al asunto. ¿No se percatan los atrapados en la red de arrastre romana de que en la Iglesia católica y romana no serán más que sacerdotes de segunda, en cuyas misas no podrán participar los católicos?

 

Además, este comunicado apela desvergonzadamente a los documentos verdaderamente ecuménicos de la Comisión Internacional Anglicana-Romano Católica (ARCIC), redactados en trabajosas negociaciones desarrolladas a lo largo de años entre el Secretariado para la Unidad de los Cristianos y la Conferencia Lambeth anglicana: documentos sobre la eucaristía (1971), sobre el ministerio y la ordenación (1973) o sobre la autoridad en la Iglesia (1976/81). Quienes los conocen saben que estos tres documentos, suscritos en su momento por ambas partes, no se orientan a la captación, sino a la reconciliación.

 

Estos documentos de auténtica reconciliación ofrecen el fundamento para un reconocimiento de las consagraciones sacerdotales anglicanas, cuya validez revocó el papa León XIII en 1896 con argumentos menos convincentes. Sin embargo, de la validezde las consagraciones anglicanas se deduce también la validez de las celebraciones eucarísticas anglicanas. Esto habría hecho posible una hospitalidad eucarística recíproca, cabría decir una intercomunión, y un paulatino acercamiento entre católicos y anglicanos. Sin embargo, la Congregación para la Fe vaticana se encargó de que estos documentos de reconciliación desaparecieran a la mayor brevedad posible en los sótanos del Vaticano: lo que se llama darles "carpetazo".

 

"Demasiada teología a lo Küng", se dijo entonces desde el Vaticano, en un despacho confidencial de la agencia de prensa católica KNA. De hecho, yo había dedicado la edición inglesa de mi libro La iglesia al entonces arzobispo de Canterbury, Michael Ramsey, con fecha del 11 de octubre de 1967, quinto aniversario del inicio del Concilio Vaticano II: con la "humilde esperanza de que en las páginas de este libro se siente una base teológica para un acercamiento entre las Iglesias de Roma y Canterbury".

 

Aquí se encuentra también la solución a la enojosa cuestión del primado del Papa, que separa desde hace siglos a estas dos iglesias, pero también a Roma y a las iglesias orientales, y a Roma y las iglesias reformadas.

 

Una "recuperación de la comunidad eclesiástica entre la Iglesia católica y la Iglesia anglicana sería posible", escribía, cuando "por un lado, se conceda a la Iglesia de Inglaterra la garantía de poder conservar plenamente su actual orden eclesiástico autóctono y autónomo bajo el primado de Canterbury", y "por otro lado, la Iglesia de Inglaterra reconozca un primado pastoral del ministerio de Pedro como instancia suprema para la mediación y el arbitraje entre las iglesias". "Así, el imperio romano", según mi esperanza de entonces, "se convertiría en una Commonwealth católica".

 

Sin embargo, el papa Benedicto quiere restaurar a toda costa el imperio romano. No hace concesión alguna a la comunión anglicana, sino que, antes bien, quiere mantener para la eternidad el centralista sistema medieval romano... incluso aunque esto imposibilite una unificación de las iglesias cristianas en cuestiones fundamentales. Es evidente que el primado del Papa -que, como reconocía Pablo VI, era la "gran roca" que obstruye el camino hacia la unidad de las iglesias- no actúa como una "roca de unidad". Revive la antigua exhortación a un "retorno a Roma", ahora mediante la transferencia de fieles, en particular de sacerdotes y, si es posible, de forma masiva. En Roma se habla de medio millón de anglicanos, entre ellos de 20 a 30 obispos. ¿Y los restantes 76 millones?

 

Una estrategia cuyo fracaso se ha demostrado en los siglos pasados y que, en el mejor de los casos, conduciría a la fundación de una miniiglesia anglicana "unificada" con Roma bajo la forma de una diócesis personal (no territorial).

 

¿Cuáles son hoy las consecuencias de esta estrategia?

 

1. Un mayor debilitamiento de la Iglesia anglicana: en el Vaticano, los antiecuménicos se congratulan por la llegada de conservadores; en la Iglesia anglicana son los liberales quienes se alegran de la salida de los agitadores catolizantes. Para la Iglesia anglicana, esta división significa una mayor corrosión. En este momento ya sufre las consecuencias de la elección -innecesariamente impuesta- como obispo en EE UU de un párroco homosexual declarado; elección que se hizo arrostrando la división de la propia diócesis y de la comunidad anglicana entera. Esta división se reforzó por las discrepancias entre los propios dirigentes de la Iglesia respecto a las parejas homosexuales: algunos anglicanos aceptarían que sus uniones se registraran civilmente con amplias consecuencias jurídicas (en lo tocante a la herencia, por ejemplo) y con una eventual bendición eclesiástica, pero no un "matrimonio" (reservado desde hace milenios a la unión de hombre y mujer) con derecho a la adopción y con consecuencias imprevisibles para los niños.

 

2. Inseguridad generalizada entre los fieles anglicanos: la migración de sacerdotes anglicanos y la reordenación en la Iglesia romana católica que se les ha ofrecido plantea a muchos fieles (y pastores) anglicanos la crucial pregunta: ¿es válida en general la consagración de los sacerdotes anglicanos? ¿Deberían los fieles, con su párroco, pasarse también a la Iglesia católica? ¿Qué ocurre con los edificios eclesiásticos, los salarios de los pastores, etcétera?

 

3. Irritación del clero y el pueblo católico: el malestar por el continuado rechazo a las reformas también se ha extendido a los miembros más fieles de la Iglesia. Desde el Concilio, muchas conferencias de obispos e innumerables sacerdotes y fieles han reclamado la derogación del veto medieval al matrimonio de los sacerdotes, que ya ha privado de sus párrocos a la mitad de nuestras parroquias. Sin embargo, siempre han tropezado con el tozudo e inflexible rechazo de Ratzinger. ¿Y ahora los párrocos católicos deben tolerar a su lado párrocos conversos casados? Y aquel que quiera casarse... ¿debería quizá hacerse anglicano primero, luego casarse, para después volver a la Iglesia?

 

Como ya ocurriera en el cisma entre la Iglesia oriental y occidental (siglo XI), en la época de la Reforma (siglo XVI) y en el Concilio Vaticano I (siglo XIX), el ansia de poder de Roma divide a la cristiandad y perjudica a la propia Iglesia. Una tragedia.

 

CRISTANDADE - Romana - Anglicana - Ortodoxa... em união???... Quiça!!!...  Sherpas!!!...

 

30
Out09

... preparativos!!!...

sherpas

… caravela das descobertas,

cais da partida, areal coberto de gentes,

cordas que esticam, aprestam,

panos que enrolam nos mastros,

caminho aberto, finas frestas,

colosso de madeira, bojudo,

armazém de víveres que chegam,

arrumam em sítios sombrios, fundos,

quase pejado, de carvalho o cavername,

costado de pinho, de ferro o cavilhame,

mastros possantes com cestas nas gáveas,

grito do alto duma delas,

 

da ponte de comando,

vozeirão que se sobrepõe,

firme, vigiando,

enquanto põe, dispõe,

olhar feroz que deita

sobre marinheiro derreado

encostado numa barrica,

conversando descansado,

 

olhar de quem enleia

amor que deixa por uns tempos,

mulher nova que se meneia,

doces momentos,

recordações

na hora da despedida,

fuga, em busca doutro Mundo,

dia que arrasta uma vida,

 

doce balançar, águas calmas,

mansas, prometedoras,

conchego de tantas almas,

refúgio de tantos medos,

cofragem de grandes segredos,

bem juntinhos, moldados,

companheiros de todas as horas,

preparação do que temem,

viagem que se repete,

sãos, válidos, não tremem,

 

ajeitam o que se segue,

olham a gaivota que descola,

adeja,

a terra que se deixa,

fazendo por esquecer,

não pensando, sequer!!!...

 

dom de ver,

orientar tudo que mexe,

do alto da sua omnipotente posição,

dá para entender

quando cresce, quando se olha,

volteia, não parpadeia,

não hesita,

não belisca, sequer,

não fora ele o capitão,

 

comanda,

ordens mais altas que cumpre

naquela busca, demanda,

cuidados que são redobrados

sem receios, com recados,

sem folguedos,  sem festa,

antes que a noite inunde tarefa,

preparativos, vozearia no convés,

alguns gritos,

apresta-se tudo que resta

olha a todos de revés!!!...

 

veio a noite,

estafados, corpos de bestas desconformes,

animais entre animais,

descalços, fortes, rostos hirsutos,

autênticos brutos

espalhados por qualquer canto,

sonos profundos,

desatados, rendidos,  desencanto,

escuridão que oculta tudo,

agitação que se refreia na quietude do local,

junto ao barco,  perto do mar,

 

ainda mal o sol rompia, se espreguiçava a marinhagem,

era mais noite que dia,

apetrechos a funcionar, ordens que se ouvem dar,

velas que se içam,

enfunam, reboliço concertado,

começo da aventura,

levam rumo mais que pensado,

rota de azar,

de fortuna,

imensa incerteza se avulta no que se esconde,

oculta

para lá daquelas águas

que terão de navegar!!!... Sherpas!!!...

 

28
Out09

... a arte de... bem navegar...

sherpas

… arte de bem navegar toda a vela,

segurança e enlevo, destino certo,

aqui, ao longo da costa, bem perto,

parecem gaivotas brancas, aos bandos,

espalhadas pelas águas mansas do rio,

 

com empenho, em desafio,

ninguém desdiz, certamente,

lá vão, alegremente,

risonhos, peito aberto,

manuseiam aparelhos, cordas, lemes,

esvoaçam,

 

quando passam,

ouvem-se gritos, gargalhadas,

súbitas disposições, revoadas,

tão diferente daqueles tempos primevos,

 

tronco seco que bóia,

tresloucado, corrente abaixo,

perante estupefacção duma espécie de macaco,

nu, especado, confuso, cabeludo,

outra estória,

com osso portentoso numa das mãos,

cavaco tosco, grosso, disforme,

era coisa enorme,

 

apelativo, interrogativo,

coçou cabelos densos em desalinho,

escancarou olhos, associou

torvelinho no seu pobre cérebro,

sentou, parou… olhou, olhou,

 

nada saía, dificuldade colossal,

pobre espécime, animal,

sapiens homo nos seus passos primeiros,

luzinhas dispersas que despoletam, inquietam,

quantas noites perdidas na caverna,

grunhidos, som que propaga,

imagem que permanece, tronco seco que passa,

 

bóia e vai embora, afasta da berma,

tenta fazer, experimenta, concretiza,

abre as pernas, põe em cima,

desloca… realiza,

esburaca, quando escava, torna cómodo,

impulsiona, dá velocidade, remos, vento,

uma descoberta, invento, um intento,

arte que se desenvolve,

quando resolve,

 

saber que se aprofunda, cérebro que se inunda,

tempos actuais,

muito mais, em arte se torna,

 

tronco seco que bóia, que voa, paranóia,

desafio, encantamento num dado momento,

arte de bem navegar toda a vela,

sem ser obra poética de desdizer,

cometimento,

 

avanço que permitiu o que nunca se viu,

ultrapassando a Taporbana,

Oriente aqui tão perto,

tendo tudo como certo,

evolução, com osso enorme na mão,

tronco seco, tosco… confusão!!!... Sherpas!!!...

 

27
Out09

"The Case for More Stimulus"

sherpas

The consensus among economists is that the recession is over, and, technically, the herd is probably right. Corporate profitability has been boosted by job cuts, pay cuts and a drive to restock depleted inventories. Immense federal stimulus has jolted the economy.

 

 ... in http://www.nytimes.com/2009/10/27/opinion/27tue1.html?_r=1

 

But what happens when those measures run their course? The economy is going to need more government support, or it is bound to be very weak for a very long time — and vulnerable to a relapse into recession. Unemployment is expected to worsen well into next year, exceeding 10 percent. Foreclosures are expected to rise, which will push home values down further. Hundreds of small and midsize banks are likely to fail in coming years. State and local governments face budget shortfalls in 2010 that are as bad or worse than this year’s.

 

Yet Washington is not providing a coherent plan for effective stimulus. The Senate has been hamstrung for nearly a month over the most basic relief-and-recovery boost: an extension of unemployment benefits. The Obama administration has called for an expensive crowd-pleaser of dubious effectiveness: sending every Social Security recipient an extra $250.

 

And Washington is mired in a warped political debate. Congressional Republicans say continued economic weakness is proof that February’s stimulus package failed. Lawmakers in both parties fret that large budget deficits preclude more stimulus, lest the burden of debt outweigh the benefit of deficit spending.

 

Both arguments are wrong. If anything, ongoing economic problems are a sign that stimulus needs to be bolstered. Deficits are a serious issue, but the immediate need for stimulus trumps the longer-term need for deficit reduction. A self-reinforcing stretch of economic weakness would be far costlier than additional stimulus.

 

The Senate could take a step in the right direction by extending unemployment benefits without further delay. That is the single most effective way to boost consumption — which, in turn, preserves jobs — because it creates spending that would otherwise not occur.

 

Next, Congress and the administration should agree on ways to ease the dire financial condition of the states. Most important is continued aid for state Medicaid programs, which would ensure vital services, support jobs and free up money for other needs. Governors will begin to prepare their new budgets in early 2010, and those budgets will be in effect for a year, starting in July. So the states need to know soon what to expect from the federal government through mid-2011. As long as the states are suffering, any economic recovery efforts by the federal government are undermined.

 

Other measures being floated are less effective than unemployment benefits and aid to states. Many of the $250 checks to Social Security beneficiaries will not be spent quickly, because many recipients have no pressing need for the extra money. Proposals by some lawmakers to extend and expand the $8,000 tax credit for first-time homebuyers are even less well targeted. Since it was enacted in February, only an estimated 15 percent of buyers who claimed the credit needed the money to make the purchase. It’s not stimulus when you pay people to do something they would have done anyway. It’s waste.

 

To be highly effective as stimulus, cash aid must be targeted to needy populations. The housing market would be better served by a reinvigorated attempt to reduce foreclosures, including, at long last, reducing principal balances for the millions of people who owe more on their homes than they are worth.

 

Without another round of effective stimulus, the worst recession in modern memory will likely become — at best — the weakest recovery in modern memory. Another boost to federal spending that is targeted and timely should not be too much for politicians to deliver.

 

 ... um País... dois sistemas, tal como na CHINA q nos ensina!!!... Ou... NÃO???... Sherpas!!!...

 

26
Out09

... amargo de boca!!!...

sherpas

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.mad}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.sad} 

... nas pregas das palavras enviesadas q´atiram,

recônditos esconderijos onde disfarçam

espumas avulsas sem sentido,

sobra de cerveja que jorra do copo,

s´acumula em recipientes,

despiciente, quando as instilam,

cálculos medonhos, bem sombrios,

chocolate amargo com travo com que fico,

quando as acumulo em recantos de desencanto,

 

avaliando mente, chorando corpo,

encanecido pela longeva caminhada

de prepotente que manipula,

engana,

d´inocente que maltrata,

arrasta,

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.mad}{#emotions_dlg.sad}

fúrias, tormentos d´intempérie avultada,

ciclones medonhos me confundem,

incontidas sensações m´arrebatam o sossego,

acumulo desprezo por quem ignora,

quem mente

perante quem desdenha,

quando se desenha,

não chora,

 

punho firme com que comanda

barcaça desvairada,

sem rumo,

perante arruaça, perante  Mundo,

manifesto que propõe quando impõe,

grandeza tão pequena que desmembra,

contrapõe,

ganha maleita, enferma,


desvario duma sociedade d´incapazes

perante bestas tão vorazes,

antanhos que reacendem dúvidas,

incertezas,

incréus s´alevantam ameaçadores

nas urbes onde se juntam,

gritam

zangas, aflições, chagas, dores,

mostram raivas,

incitam,


descontrole q´adocica,

bebida que consome,

frescura momentânea que retém

quando disfarça miséria, fome,

não mostra o q´ainda tem,

envergonhada,

oh Pátria minha amada,

 

 

quando ela passa

humilde na enganadora desgraça

que s´oculta,

numa retenção sem hipótese de fuga,

discriminação,

sabor amargo, chocolate bem quente,

com travo,

cerveja que jorra no copo,

espumas que se deitam fora,

sobras, pouca gente,

cartilagem que não sustenta,

carapaça,

protecção inexistente,

 

ignora,

quando se comanda não chora,

firme na decisão q´arvora,

sem escapatória, lá vamos,

gemendo... aguentamos!!!... Sherpas!!!...

25
Out09

... ZEUS!!!...

sherpas

... do alto dum corpo avantajado, 

presença indómita, respeitável,

vasto Olimpo em que s´encontra,

possessão que desfruta, usa,

majestático,

por feitos inenarráveis merecedor se julga,

chispa raios, coriscos, dispara

irado

contra um pobre coitado

que, incréu, s´atreveu

perante assembleia plena,

provocar contenda, tremenda cena,

 

logo assim o mereceu,

estático,

estarrecido,

memorável,

recuou perante Zeus omnipotente,

mortal sem valia,

mais lh´houvera ter valido,

já condenado,

remetido ao silêncio, arrecadado,


repetição d´iras furibundas

de quem, por adulações que não justificam,

ascendeu a esfera tão elevada,

dos mais correntes s´apartou,

algo, em interiores tão recônditos, profundos,

seus neurónios alterou,


qual Imperador, Deus de nomeada,

figura de relevo, grada,

toma gestos grosseiros, atitudes,

desvirtuações que o apequenam,

na plateia plena que o reverencia,

assim s´empenha,

fraca, gasta pose de democracia,


qual Nero tresloucado harpeando,

loucura que queima retina deslumbrada,

chamas q´afogueiam,

julgando,

quando da Terra s´aparta,

figura de nomeada,

corpo volumoso, mente efervescente,

palavra solta

tal como Péricles esfuziante,

estadista helénico sob a bênção dum Prometeu,

entre um Sócrates filosófico caseiro,

se não equipara a Napoleão bélico, destruidor

pacífico, anti-ditador ou imperador,

quando ascende,

das terrenas criaturas se separa,

por inteiro,

coisa rara,

se transforma noutra gente,

quase um Deus,

sem ser Zeus,


 

aponta, descarrega fúrias, zangas

sobre condenado por justiça dos homens

que s´insurgiu,

nunca tal coisa se viu,

 

empolado na sua fundação, museu,

por valias que deram brado,

apascentando mansos, pertença de numeroso gado,

penso, quando vejo,

sem cuidado, mais que irado,

de sobejo,

digo eu,

 

respeitável velho de conhecimentos,

mais p´ró camafeu,

símbolo que perdura, relicário,

mais lh´aprouvera resguardo, contenção,

limitar qualquer tipo d´emoção,

guardado, como bem precioso,

de qualquer onzeneiro belicoso!!!... Sherpas!!!...

24
Out09

... el MUNDO... es suyo!!!...

sherpas

 

 

El oficio de guardián de la memoria se juega hoy en el terreno de una vigorosa nostalgia del futuro: hoy hace ya 20 años, ¿qué tendremos que recordar cuando hayan pasado los próximos 20? A día de hoy, hasta la entradilla está entre las palabras archivadas. Esta es la que introdujo la primera Carta del Director, la carta de presentación de EL MUNDO, de la pluma de PEDRO J. RAMÍREZ, el 23 de octubre de 1989: "Los promotores de EL MUNDO que hoy abrimos por primera vez esta cancela de papel no nos limitamos a decirles "pasen y vean" como quien -pensando en hacer taquilla- seduce a un transeúnte con aspecto de inquilino ocasional.

 

... in  http://www.elmundo.es/elmundo/2009/10/23/palabrasarchivadas/1256292410.html

 

Lo que estamos proponiéndoles es que se instalen y tomen posesión de algo que les pertenece. EL MUNDO es un nuevo periódico para una nueva generación de lectores. Haciendo honor a su nombre y a sus fuertes lazos con algunos de los mejores rotativos europeos, EL MUNDO proyectará una visión global, cosmopolita y sofisticada de los nuevos problemas de la Humanidad."


***Este periódico no será nunca de nadie, sino de sus lectores. EL MUNDO no servirá jamás otro interés sino el del público, porque el verdadero titular de la libertad de expresión no somos los periodistas -menos aún los "amos" de los periódicos- sino el conjunto de la ciudadanía.


EL MUNDO no tiene "amo", y por eso jamás utilizará la información como elemento de trueque u objeto de compraventa en el turbio mercado de los favores políticos y económicos. Toda noticia de cuya veracidad y relevancia estemos convencidos será publicada, le incomode a quien le incomode. Toda investigación periodística, alentada por el derecho a saber de los lectores, será culminada, le pese a quien le pese. En este periódico no habrá tabúes, ni cotos vedados, ni zonas de sombra, ni sanctasanctorums. Si alguien pretende hacernos pasar por el aro, como a tantos otros, que abandone desde hoy toda esperanza.


EL MUNDO será en la práctica de sus lectores porque los trescientos accionistas que hemos constituido su capital social lo hemos hecho concurriendo a un proyecto cuyas reglas del juego están nítidamente definidas de cara a garantizar la independencia del periódico.


EL MUNDO será en la práctica de sus lectores porque el bloque promotor del periódico que es titular del primer paquete accionarial y tiene encomendada la gestión del empeño lo integramos un largo número de profesionales, unidos por una idea común: el ejercicio del periodismo es un fin en sí mismo, y no un medio para acceder a ninguna otra plataforma de lucro o vanidad social.


EL MUNDO será en la práctica de sus lectores porque tanto los reglamentos de la Sociedad como el Estatuto de la Redacción que inmediatamente entrará en vigor han sido diseñados para que los derechos y deberes de todos cuantos participamos en el periódico queden puestos al servicio del compromiso que, en calidad de meros intermediarios, adquirimos ante los ciudadanos.


EL MUNDO será en la práctica de sus lectores porque, en concordancia con todo lo anterior, la opinión del público será recabada de manera regular y constante.


Si a finales del siglo pasado los redactores de "El Liberal" proclamaban jubilosamente su independencia al grito de "Nos pertenecemos, somos de nosotros mismos", una moderna concepción del derecho a la información y nuestros propios ideales nos impulsan a decirles humildemente: "Les pertenecemos; somos de todos ustedes".


Es hora de que los medios de comunicación dejen de responder a la prepotencia del poder con su propia prepotencia. EL MUNDO nace en un momento en el que arrecia en todas partes el debate sobre la titularidad del poder de informar, centrado tanto en la perenne tentación expansionista de los más diversos gobiernos como en la no menos preocupante concentración de la propiedad de los medios.


Ambos fenómenos están quedando de relieve en esta España actual, en la que el inmoral culto del dinero ha provocado tantas metamorfosis y en la que un Gobierno todopoderoso ha tenido la habilidad de reservar a su criterio discrecional importantes decisiones que, como las concesiones de radio y televisión o las autorizaciones de inversiones extranjeras, afectan decisivamente al futuro de las empresas periodísticas.

 


¿Qué libertad de crítica puede tener un medio informativo si durante largos periodos de tiempo sus propietarios se encuentran pendientes de una resolución del Consejo de Ministros? ¿Qué mecanismos de defensa le quedan a la sociedad cuando aquellos individuos a quienes la ruleta del destino o su propio don de la oportunidad han convertido en depositarios del derecho a la información de los demás incurren en la humana flaqueza de supeditar el cumplimiento de su función social a intereses materiales más o menos confesables?


Afortunadamente, la nueva tecnología ha venido a paliar el creciente clima de insatisfacción ciudadana ante la "docilidad inducida" de buena parte de los medios establecidos y en la mayoría de los países occidentales están surgiendo iniciativas como ésta, con el propósito de ampliar el pluralismo y restituir a la sociedad su capacidad de elegir entre opciones esencialmente diferentes.

 


Quienes tengan por costumbre comprar la información al peso, como si los quioscos fueran tiendas de ultramarinos o los periódicos elixires del repertorio de esos charlatanes de feria que siempre ofrecen "más por menos", no estarán entre nuestros lectores. Tampoco quienes busquen en la prensa sensacionalismo zafio y escándalos baratos. Mucho menos quienes, uncidos a la noria del conformismo, acepten como "normales" todas aquellas injusticias, desigualdades y restricciones de la libertad que en la sociedad española -según la definición brechtiana de las cosas- tan sólo son, por desgracia, "habituales".


EL MUNDO será un órgano radical en la defensa de sus convicciones, pero moderado y sereno en la exposición de sus argumentos. Jamás recurrirá al insulto ni a las descalificaciones personales. Si alguien nos agrede, sólo contestaremos a los hechos con palabras. Procuraremos que la nuestra sea siempre la voz de la razón. Nuestros editoriales tratarán de convencer antes que de conmover.


Seremos intransigentes en cuanto afecte a los derechos humanos, las libertades públicas, la dignidad de los consumidores, el respeto a la opinión de las minorías y la defensa del medio ambiente frente a la estupidez o la avaricia. Intentaremos hacer buena esa visión filantrópica según la cual un periódico debe confortar a los afligidos, pero tampoco vacilaremos cuando nuestra demanda de reformas suponga afligir a quienes de manera más confortable, y a menudo insolidaria, viven.


Creemos que la democracia española precisa de un profundo impulso regeneracionista que restituya a los ciudadanos el ejercicio práctico de la soberanía popular, secuestrada por las camarillas dirigentes de los grandes partidos y por los grupos de presión económica. Para ello abogaremos indesmayablemente por la aplicación de medidas concretas que sirvan para llenar de contenido los derechos de participación política.


El camino será largo y difícil. En diversos momentos de la etapa fundacional de EL MUNDO, sus promotores nos hemos aplicado a nosotros mismos aquel cuento con que el presidente Kennedy, evocando escenas de su infancia, describía la carrera espacial. Explicaba que su mayor diversión consistía en juntarse con un grupo de amigos y empezar a correr campo a través, sin que nada pudiera detenerles: "Cuando encontrábamos una pared demasiado alta, nos quitábamos la gorra y la tirábamos al otro lado, para que no nos quedara más remedio que saltarla".


En el complejo mundo que viene, la búsqueda de la felicidad y la justicia requerirán de grandes dosis de innovación, coraje personal y sentido de la decencia. No hay tiempo para mirar atrás, por hermoso que pueda ser nuestro reencuentro. Al escribir este artículo -el primero que firmo desde que hace siete meses sufriera un desdichado "accidente laboral", yo ya he colocado definitivamente mis ilusiones al otro lado de la valla. Usted, lector, que ha cogido este ejemplar tal vez como quien llega de visita y asoma la cabeza, tiene la oportunidad de hacer lo propio.


No se conforme. Únase a nosotros. Tome lo que es suyo

 

... NÃO te conformes, junta-te a NÓS/toma o que é TEU!!!... Sherpas!!!...

 

20
Out09

... a velha miserável que via passar...

sherpas

 

… a velha miserável que via passar,

continua passando,

mais miserável, mais velha,

o drogado acabado, quase pele e osso,

continua esquelético,

mais acabado, drogado,

a prostituta que se vende na rua,

continua na rua,

quase nua,

ainda se vende, ainda é prostituta,

o desempregado, sem destino, atarantando,

continua teso,

sem cheta,

soturno, incerto, desempregado,


… o pagador de impostos, classe média acabada,

vai-se apagando,

classe que fica mais baixa,

vida azarada,

continua pagando impostos,

grandes desgostos,

o tipo rico que aparece na televisão,

cada vez mais rico,

cada vez mais na… televisão,

vai sorrindo, aparecendo, falando,

forrado, com ilusão,

mediático, aplaudido,

sendo trapalhão,

venerado pelo político,


… a criança sem eira nem beira,

pobre, sem pais, abandonada,

foi encaminhada para instituição,

espécie de prisão,

continua pobre, desamparada,

títere, boneco de feira,

por vezes, diversão,

notícia que se atira,

sem pais,

como outras mais,


… o político de qualquer quadrante,

extravagante, aldrabão,

no Poder, na oposição,

quadro degradante,

quando não faz, de incapaz,

porque mente,

cada vez se interessa mais por ele,

somente,

luzidio o carro, bonita pele,

conservado,

bem colocado,


… o emigrante que deixa o País,

busca saída, procura vida,

já não conta para a estatística

porque não fica,

reduz o número, aumenta a confiança,

quanta jactância

quando se diz,

logro que aumenta quando comentam,

até intentam,

sedução com intenção,

dinheiro que vem,

que sabe bem,


… a compra que se não fez, já se não faz,

pobre rapaz,

rapariga que espiga,

tanto faz,

música precisa,

concreta, concisa,

gargalhada na hora,

vamos embora,

tristezas que se colocam debaixo do tapete,

como um foguete,

rápido o gesto,

amor, afecto,

puro joguete,

embrulhos, engulhos,

futuros sombrios,

quão poucos brios,


… contentor da desgraça à porta do supermercado,

atulhado de restos, de sobras,

quantas esmolas,

passados de prazo que se deitam fora,

lágrima que chora,

quem vê, se condói,

sombras da noite, fomes e misérias,

são restos também,

de quem nada tem,

dependurados, rebuscando sôfregos,

lixos e sacos,

quanto nos dói,

baixos segredos,

tristes recados,

sociedade doente,

tempo que passa,

já não chora, vai embora,

modifica-se, aceita… indiferente,


… o doente, o desvalido, o dependente,

cuidados e desvelos,

família que se esforça,

que supre qualquer falha,

gente valente,

arranja energia, puxa cabelos,

transforma quereres,

inventa saberes,

revira obstáculos, segue o caminho,

amores e carinho,

jura baixinho,

sofre a dobrar,

consegue calar,


… o indigente, vítima do sistema,

da bebida que ingere,

do vício que acalenta,

continua na mesma,

ossos no chão,

deambula, pedindo,

rouba, por vezes,

goza o que lhe dão,

hermético, sofrido,

na solidão,

imbecilizado… vai sorrindo,


… mais um período, promessa caída,

vida que se esgueira, vida rendida,

continuidade tão igual,

rotina que se instala, teima,

males que se agravam, grossa toleima,

hipocrisias mil,

canção em vinil,

passado chorado,

presente amargado,

futuro aqui tão perto,

negro, complicado… incerto!!!... Sherpas!!!...

19
Out09

... o argueiro e... a trave no OLHO!!!...

sherpas

 

A violência no Rio de Janeiro vem alcançando patamares alarmantes há muitos anos. Em 2006, houve 7 652 crimes letais -50 por 100 mil habitantes, ou seja, o dobro da média nacional. Portanto, o atual governo do Estado e os gestores atuais da segurança –profissionais reconhecidamente honrados, que merecem todo o nosso respeito- não podem ser responsabilizados pelo quadro dramático que herdaram.

 

... in http://amaivos.uol.com.br/amaivos09/noticia/noticia.asp?cod_noticia=8860&cod_canal=55

 

Entretanto, os últimos acontecimentos no complexo do Alemão demonstram que as autoridades não aprenderam com os erros de seus antecessores: têm feito mais do mesmo; têm adotado os mesmos métodos, apenas elevando a intensidade e a escala das incursões bélicas às favelas.

 

De 2003 a 2006, 4 329 pessoas foram mortas em ações policiais –mais de mil por ano. Pesquisas sobre os 1.195 casos de 2003 mostram que cerca de 65% daquelas ocorrências não passaram de execuções. São dados que denotam verdadeiro genocídio. A história recente do Rio deixa muito claro que a pena de morte está instalada, na prática, e tem sido sistematicamente aplicada contra jovens pobres e negros.

 

Por outro lado, o tráfico de drogas tem imposto verdadeiro despotismo às comunidades pobres, revogando, em seus territórios, a vigência do Estado de Direito Democrático. E não é segredo que segmentos policiais são sócios do crime, negociando armas e drogas. Além disso, sabe-se que não há só o varejo das drogas, o qual depende de lavagem de dinheiro e das redes clandestinas do crime organizado, cuja dinâmica se alimenta da corrupção e envolve outros grupos sociais, residentes nas áreas nobres das cidades.

 

A gravidade da situação se expõe, ainda com mais nitidez, quando observamos que há 170 mil solicitações de laudos periciais não atendidas; a polícia civil investiga com êxito apenas 1,5% dos homicídios dolosos; e que o salário base de um soldado da PM não ultrapassa R$ 800,00. Para completar, registre-se que cabe à segurança privada financiar a segurança pública, mediante recrutamento ilegal de policiais para o segundo emprego. Esse artifício mantém a demanda por salários reprimida e obriga o Estado a conviver com a segurança privada informal, mesmo sabendo que do informal muitas vezes se passa para o criminal. É da omissão interessada do Estado que nascem as milícias, outro fenômeno assustador, na contramão da legalidade Constitucional.

 

Nesse contexto, invasões policiais em operações de guerra, nas favelas, constituem um equívoco perigoso, de conseqüências trágicas, por cinco razões: (1) morrem inocentes, inclusive policiais; (2) os suspeitos mortos são substituídos como peças de reposição e o processo criminoso se reproduz, crescentemente alimentado pelo ódio, cultivado por abusos e humilhações de que são vítimas as comunidades. Depois de ocupadas pela força militar, as favelas são novamente abandonadas, sem investimentos sociais, e nada muda; (3) violações à legalidade são cometidas e jamais previstas, controladas ou apuradas, porque a lógica da guerra –e sua ética perversa- tudo justifica.

 

É extremamente preocupante, nesse sentido, a proibição, por parte da secretaria de segurança, de que perito da OAB acompanhe as autópsias, assim como suscita legítima indignação a falta de providências para que as denúncias da comunidade sejam apuradas com transparência, o que só se efetivaria com a participação de órgãos externos; (4) as reformas profundas das polícias são relegadas a segundo plano, criando-se a ilusão de que será possível construir a paz com a morte de traficantes varejistas, sem que a máquina de morte e corrupção, instalada no seio das instituições policiais, seja desmontada, e sem que os policiais honestos, que constituem a maioria, sejam, afinal, valorizados; (5) trai-se o fundamento mesmo da segurança pública, cujo objetivo é proteger, acima de tudo, a vida, inclusive e sobretudo daqueles que estão mais vulneráveis aos ricos, isto é, sobretudo dos moradores das favelas.

 

Em outras palavras, as comunidades deveriam ser as destinatárias primeiras dos serviços de segurança pública prestados pelo Estado, nas áreas mais pobres. Nada justificaria, portanto, sacrificar moradores inocentes em nome de qualquer outra finalidade. Não há finalidade maior que a vida, sobretudo dos que estão diretamente envolvidos no campo real dos confrontos. Moradores de favelas não podem tornar-se baixas “naturais” de confrontos. Suas vidas não podem ser consideradas meios para que se alcancem outros fins, por mais elevados que sejam. Nenhuma tática que sacrifique a segurança dos moradores pode ser tolerada.

 

Quando uma empregada doméstica é barbaramente agredida por jovens de classe média, que se revelam criminosos brutais, parece que o mesmo padrão se repete: os mais pobres não têm alma, não participam da mesma humanidade, reduzem-se a objetos e instrumentos de exploração, prazer ou destruição lúdica. Que mensagem se pode extrair desse paralelismo?

 

O Estado trata os de baixo com desdém por suas vidas? A lógica não é análoga? Isso não mostra que há algo mais profundo no espírito de nosso tempo, algo que revela a internalização e a naturalização de nossas desigualdades?

 

Considerando esse conjunto de questões, acho que devemos conclamar o governo do Estado do Rio a rever sua política de segurança, a ouvir o clamor das comunidades envolvidas e a autorizar o acesso aos exames periciais de técnicos externos. Diante de conjuntura tão dramática, creio ser dever da cidadania dirigir uma convocação a toda a sociedade e a todas as forças políticas, independentemente de quaisquer diferenças menores, em nome da democracia e da civilização.

 

Deveríamos propor ao país a celebração do Pacto Republicano em Defesa da Vida, sugerindo que nossa referência comum seja o plano de segurança do primeiro governo Lula, que previa a criação do Sistema Único de Segurança Pública, além de expressivos investimentos em políticas preventivas. Ali temos as bases já testadas para o consenso possível.

 

Saibamos encontrar humildade e grandeza para superar divergências e construir o entendimento, porque o que está em jogo é a vida, é a democracia, é a legitimidade do sentido de justiça para os brasileiros mais pobres.

 

"o argueiro e a trave no olho" in http://www.forumespirita.net/fe/o-evangelho-segundo-o-espiritismo/cap-x-o-argueiro-e-a-trave-no-olho/

 

... ai Maitê... ai Maitê, tristíssima figura, débil criatura que se vai rindo dos OUTROS!!!... Sherpas!!!...

18
Out09

... estantes enormes!!!...

sherpas

 

… estantes enormes, repletas,

silêncio pesado, ambiente de ruptura,

mundo diferente, ausente,

presenças constantes, saberes, cultos, quando fechados, cheiros a mofo,

papel velho que se respira, obras e obras, completas,

quanta ciência, quanta valência, quantos pensares, quanta cultura,


resmas, quanta fartura, papel fino, novo, delicado,

sensível ao toque, acetinado,

ali guardados, bem arrumados,

capas de couro antigo, folhas amarelas, recordações que trago comigo,

quando me sinto, folgado, calmo, neste recanto, precioso abrigo,


biblioteca, bem receptiva, abrigo de novos, de velhos,

gentios interessados pela vida,

encantos imensos, quão expressiva,

quando encontro o que busco, numa procura… numa pesquisa,


meus olhos passeiam, divagam,

percorrem vorazes, não param,

títulos, nomes de tantos escritores, tratados de filosofia, enciclopédias,

rato sabido, bem preparado,

anseio, passo com a mão, sinto o sabor daquele olor,

papel amigo, conhecimento vasto, devoro, não me farto,


hábito de sempre, desde pequeno, sossego permanente, um casquilhar,

folha que passa, um folhear,

olhos sequiosos, gulosos, livros e livros, acariciados,

quantos já lidos, apreciados,

quanto me deram, quanto me dão,

rato escondido, ratão, biblioteca de estaleca, suma paixão,

tempos esquecidos… na imensidão,


livros na mão, satisfação,

uma procura, investigação,

um querer mais, insaciável, encontro casual, um notável,

palavras, pensamentos, enredos,

conhecimentos que arrecado, que bebo, que guardo,

terrores, medos,


superstição, vaidade, ambição, obra de renome, ficção,

tempos vividos, biografias,

estórias, fantasias,


ódio descrito, um assassino, romance delicodoce, grande paixão,

termos já escritos, desatino,

encontro com a vida, bem arrumado,

certinho, catalogado,

estantes, bastantes, espaço alargado,

biblioteca que se ama,

livro que… nos chama!!!... Sherpas!!!...

17
Out09

Beijing’s Air Is Cleaner, but Far From Clean

sherpas

 

BEIJING — This city’s network of arterials, five ring roads bisected by nine more freeways, is barely two decades old, but it already is sclerotic. Roughly four million vehicles clog Beijing roads, seven times the number about 15 years ago. On any given day, another 1,500 new vehicles join the crush.

 

... in http://www.nytimes.com/2009/10/17/world/asia/17beijing.html?_r=1&hp

 

HAZY OUTLOOK The highway system of Beijing is often clogged, despite measures to limit the number of vehicles in use and to replace older models with cleaner, more fuel-efficient ones.

So it is no surprise that Beijing has some of the worst air pollution of any big city on earth.


No, the surprise is this: Beijing’s air is actually getting cleaner.


China may have a hard-earned reputation for long-neglected and fearsome environmental problems, from poisoned rivers to chemical-belching smelters. But the nation’s capital, Beijing, is trying hard to clean up its dirty air.


The results show up not only in recent pitch-perfect October days, but in the data that for years have presented a bleak picture of pollution here.


Through September, the government counted 221 days in which the 0-to-500 pollution index — the lower the number, the better — was below 101. It was the greatest number of “blue-sky days,” as the city calls them, since daily measurements were first published in 1998.


At the same time, the city has recorded only 2 days with dangerously high air pollution. That is the lowest number in a decade, and fully 17 days fewer than were logged in the same period in 2000.


Outside experts caution that the city’s measurements are not just imprecise — they do not measure the tiniest particulates that are most damaging to lungs, for instance — but potentially misleading.


The government index is a 24-hour average of readings from monitors citywide. In contrast, a single monitor operated by the United States Embassy in downtown Beijing, where traffic is heavy, consistently reports less healthy air conditions than the official index.


And Beijing’s air remains far from pristine by any measure. The average concentration of particulates in city air during 2008, for example, was six times the ideal standard recommended by the World Health Organization. Indeed, Beijing has yet to meet the W.H.O.’s interim air standards for developing countries — or even the less stringent standards posted by China’s national government.


Yet if the air remains bad, experts say, the trend toward clearer skies is both steady and undeniable.


“For those of us who have been monitoring air pollutants for about 10 years, we see a clear reduction in pollution,” Zhu Tong, a professor and air pollution scientist at Peking University’s College of Environmental Sciences and Engineering, said in an interview.


In the past decade, in fact, authorities have moved against air pollution problems with a tenacity that some environmentalists in developed nations, pitted against industry lobbyists and balky political machinery, can only envy.


Consider: since 1999, the city has ratcheted up its new-car emissions standards from nonexistent to the level of Euro IV, the same clean-tailpipe requirements that are now enforced across the European Union nations. The rest of China will move to Euro IV next year.


With the switch to Euro IV, Beijing environmental officials last year ordered a 90 percent reduction in the sulfur content of gasoline and diesel fuel, as well as significant new cuts in polluting compounds like benzene and aromatic hydrocarbons in gasoline.


Nor is that all. More than 4,100 of the 20,000 city buses run on clean-burning compressed or liquefied natural gas — the largest such fleet in the world. The Beijing subway system, currently about 125 miles of tunnels and overhead tracks, is undergoing a breakneck expansion that will nearly triple its length in the next five years.


Nor is that all, either. Before last year’s Olympics, the government imposed a regimen based on even and odd license-plate numbers that effectively banned half of all private automobiles from the road on weekdays. Officials — and the public — liked it so much that a modified version, banning one in five cars, is now a permanent rule.


The city also bans heavy trucks from entering the city during the day; after dark, the 18-wheelers can be seen lining up on suburban freeways, waiting for permission to enter. The oldest, dirtiest automobiles — called “yellow-label” cars, after the sticker glued to their windshields — are banned from the center city altogether.


And in July, 11 national government ministries took a leaf from the Obama administration’s Cash for Clunkers program and began offering rebates of $440 to $880 to people who trade in old high-pollution cars and trucks for new ones. Officials estimate that the program will sweep about 2.7 million dirty autos from the roads nationwide.


Impressive as all that is, it may not be enough. While Beijing’s air is cleaner now than in the recent past, the improvements have been largely, though not totally, offset by a sevenfold increase in the number of vehicles since 1993.


Many of the easy cleanup measures, like improving fuel quality and banning the dirtiest vehicles, have already been made. Future improvements will be harder to attain — and yet the flood of cars onto the streets is only growing.


The government insists that it is winning the race. Because older autos emit as much as 30 times the pollution of new ones, officials say, scrapping a relatively few clunkers makes room for many new replacements. Moreover, improvements in gasoline and diesel fuel quality have lowered pollution from all vehicles, including the older ones.


But the city’s cleanup drive is not stopping at its highways.


In the past five years, Beijing has converted 60,000 boilers and commercial heaters to run on clean natural gas instead of coal. The city’s four coal-fired power plants — all of them major polluters — have installed state-of-the-art pollution scrubbers.


Nearly 2,900 gas stations and petroleum storage tanks have been equipped with recycling controls. Hundreds of heavily polluting factories have been moved from central Beijing, including a coking coal plant and a steel mill that is scheduled to depart by the end of 2010.


The mill is a prime example of environmental action, China-style. A unit of the Shougang Group, China’s fourth largest steelmaker, it has been one of Beijing’s biggest employers. When its 140-mile move to neighboring Hebei Province is completed next year, 65,000 Beijing workers will lose their jobs.


On the other hand, thousands more are getting a better life. Consider Wang Shuqin, a 64-year-old resident of one of Beijing’s century-old hutongs, or alleys, who recently got a new electric space heater for her two-bedroom apartment.


Like most all hutong denizens, Mrs. Wang and her husband, Liu Xingye, have weathered decades of Beijing winters by feeding round bricks of coal into a squat pot-bellied stove. Every day they emptied the stove’s ashes, turning their bedroom floor black. Every night they worried about carbon-monoxide poisoning.


Every year, they burned 1,200 one-kilogram coal bricks — one and one-third tons of coal — to stay warm. Until now: this month, Beijing’s city government gave the couple a two-thirds discount on the electric heater, and a laughably low nighttime rate for electric power, 3 cents a kilowatt-hour.

Since 2004, Beijing has replaced 94,000 pot-bellied coal stoves with efficient electric heaters, eliminating the filth that came from chimneys burning roughly 100,000 tons of coal a year.

Because of that and other changes, Beijing’s sulfur emissions have been cut almost in half compared with 2000, and industrial dust has decreased by two-thirds.


“It’s cleaner. It’s much safer,” Mrs. Wang said, flashing a thumbs up. “Now we no longer worry about getting poisoned.”

Increasingly, neither does the rest of Beijing.


Li Bibo and Zhang Jing in contributed research.

 

... a CHINA... ah, a CHINA!!!... Sherpas!!!...

16
Out09

... MULHER!!!...

sherpas

 

... cabeleira basta, ondulada,

negro azeviche,

lençol que se espalha sobre cabeça pequena,

moldura,

caída por ombros delicados,

puro fetiche,

rosto que faz sonhar, sorriso doce, formosura,

nariz como apêndice, linha escorreita, torneada,

fino traço, complemento d´olhos amendoados

bem amplos, rasgados,

prometedores,

cores que não se definem,

entre preto-acastanhados,

consoante luz que reflecte, sentimentos, ânimos,

tão feiticeiros que me enfeitiçam,

quando me olham,

me cobiçam,


misteriosas janelas daquele corpo,

templo tão belo,

lábios, duas cerejas vermelho-vivas,

carnudas, apetitosas,

semi-abertas, semi-fechadas,

doce novelo,

visão que me assombra, prende,

quando cativas,

minha fada, minha deusa,

namorada de tantas vidas,


nem alta, nem baixa,

média na altura,

mantendo gesto,

postura,

elegância que passeia quando incendeia,

quando fala, se projecta,

logo encaixa,

afasta dor, esquece amargura,

recordação que se mantém

porque me retém,


nossas fúrias, nossos desejos,

frémitos, alucinações,

entregas, enlaces, beijos,

partilha de emoções,

união que se repete ao longo duma existência,

peitos que afago, esbeltos, túmidos,

composição em harmonia,

meu encosto, companhia,

albergue do meu rosto,

fantasia,

montes de prazer mútuo, entendimento,

apontamento,

labirinto de espaço que percorro,

onde me perco

quando te amo, meu refúgio, socorro,


vale do prazer eterno,

colunas bem torneadas,

ventre da criação,

continuação,

vastidão dum Paraíso

que conheço, que preciso,


minha culpa, perdição,

imagem que mantenho,

ilusão,

retido nesta prisão,

grilhetas que tenho,

arrasto,

onde me sinto bem,

não escapo,

submisso no que me prolonga,

sem desculpa, sem delonga,

escravo passivo duma situação,

encanto que guardo no peito,

recordação,

meu amor,

minha paixão!!!... Sherpas!!!...

 

16
Out09

... a FOME!!!...

sherpas

 

ROMA, Itália — A fome afeta atualmente 1,02 bilhão de pessoas, quase um sexto da população mundial, segundo um relatório da FAO, a agência da ONU para a Agricultura e a Alimentação, divulgado nesta quarta-feira em Roma por ocasião da Semana Mundial da Alimentação.

 

... in http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5hI7jAn4grtVVX8q2DzIb0zhPNGwA

 

"Nenhuma nação está livre e, como sempre, são os países mais pobres - e as populações mais desprotegidas - os que mais sofrem", lamenta Jacques Diouf, diretor geral da FAO, em um informe realizado em conjunto com o Programa Mundial de Alimentos (PMA) e apresentado às vésperas do Dia Mundial da Alimentação, na próxima sexta-feira.


A maior parte das pessoas desnutridas se encontra na região Ásia-Pacífico (642 milhões), seguida da África subsaariana (265 milhões), América Latina (53 milhões) e da região que compreende o Oriente Médio e o norte da África (42 milhões).


Nos países desenvolvidos, 15 milhões de pessoas sofrem com a fome.


Durante esta semana, 300 especialistas se reúnem em Roma, sede da FAO, para debater o tema "Como alimentar o mundo em 2050".


A população mundial passará de 6,8 bilhões de pessoas atualmente a 9,1 bilhões em 2050, segundo as projeções mais recentes da ONU.


Na quinta-feira, Diouf apresentará o que chamou de "caixa de ferramentas" para ajudar os países a implementar programas de luta contra a fome.


Na sexta-feira, durante o dia batizado de "Alcançar a segurança alimentar em tempos de crise", cinco novos embaixadores da boa vontade serão nomeados: o múltiplo medalhista de ouro olímpico americano Carl Lewis, o estilista francês Pierre Cardin, o jogador de futebol francês Patrick Vieira e as cantoras Anggun, da Indonésia, e Fanny Lu, da Colômbia.


De 16 a 18 de novembro, Roma receberá uma reunião mundial sobre a segurança alimentar. O Papa Bento XVI já confirmou presença na abertura do evento.


A seguir, alguns dados do relatório divulgado:


- O número de pessoas que passam fome no mundo superou pela primeira vez desde 1970 o teto de um bilhão, um aumento que a FAO atribui essencialmente à crise econômica mundial. "Nenhuma nação está livre, mas como sempre os países mais pobres, e as populações mais desfavorecidas, são os que mais sofrem", lamentou Jacques Diouf, diretor-geral da FAO.


- A maioria das pessoas subnutridas vem da região da Ásia-Pacífico (642 milhões), seguida da África Subsaariana (265 milhões), da América Latina (53 milhões) e de uma região que compreende o Oriente Médio e a África do Norte (42 milhões). Nos países industrializados, 15 milhões de pessoas passam fome.


- Dezesseis países foram identificados pela FAO como particularmente vulneráveis no plano econômico em razão de crises nacionais e regionais. São eles, Somália, Afeganistão, Etiópia, Iraque, Eritreia, Sudão, Haiti, Burundi, República democratica do Congo, Angola, Mongolia, Coreia do Norte, Uganda, Tadjiquistão e Geórgia.


- Com a integração dos países em desenvolvimento aos mercados financeiros e comerciais internacionais há 20 anos, a crise atinge simultaneamente uma grande parte do planeta, em particular um número elevado de países em desenvolvimento.


A recessão atual se soma a uma crise alimentar que no período 2006-2008 elevou os preços dos fertilizantes de base a níveis fora do alcance dos milhões de pobres. No fim de 2008, os preços dos fertilizantes de base continuam 17% mais elevados em termos reais do que os de 2006.


- O número de pessoas subnutridas no mundo aumentou constantemente há 10 anos. Nenhum progresso foi feito para atingir os objetivos do Milênio de uma baixa de metade das pessoas subnutridas entre 1990 e 2015, a aproximadamente 420 milhões de pessoas.

 

... não há FOME que... não dê em FARTURA!!!... Contrastes... d´ESCÂNDALO!!!... Sherpas!!!...

15
Out09

... cai o pano... cerra a cena!!!...

sherpas

 

…cai o pano, cerra a cena,

espectáculo acabou, pardal, de pouca pena,

solitário… se quedou,

num dia de poesia,

com chuva miudinha,

insistir, é mania,


tanto tua, como minha, teatro da nossa vida,

representação curta, vazia,

personagem de muito trato,

quando, em vias de facto, se pensa… no que fazia,

tanto engodo, fantasia,


foi passagem ligeira, período tão reduzido,

uma chalaça, brincadeira, um querer, mui querido,

um falar, simples gosto, como quero,

um escrever, como sinto,

continuo… assim espero, afirmo-o, porque não minto,


sem chuva, com pardais, outros elementos,

inertes ou isentos, bem vivos, mais despertos,

debandada alvoroçada,

quanta e quanta passarada,

tantos artistas, que tais, neste carrossel esquisito,

quando choro, quando grito,

quando lamento

acontecido, acontecimento,


como arco colorido, algo que desabrocha,

um gargalhar intenso,

forte, alarve, garrido, num palácio, numa choça,

idealizo, faço… penso,

levanto o pano, recomeço a cena,

divertido ou com pena,


componho, coloco, escrevo, insignificantes pormenores,

belezas excelsas, formosas,

alvores pueris, flores, jasmins, cravos… rosas,


campos verdejantes, soberbos,

sequiosos, de tão secos, paisagens de sonho, pasmo,

raios fulgurantes… meus versos,

humildes cânticos, espasmo,

sossego no desassossego,


cai o pano, cerra a cena, espectáculo… acabou,


há que continuar representação,

levantar pano, encenação,


cirandam, curiosos, quando novos talentos,

passos perdidos, parlamentos,

esperanças, sorrisos abertos,

fronhas carregadas, proventos,

horizontes que s´alargam, concretos,

destinos que mudam tudo, caminhos mais escabrosos,

vozes claras, transparentes,

tortuosos objectivos,

congregados, tão incisivos,

convencidos perante gentes,

representantes da Nação,

 

humor, incredibilidade, decisão,


pardal de pouca pena, velhos, muito rodados,

arrumadinhos, já sentados,

outros actos, outros teatros,

perante estupefacção dum solitário que se quedou

expectante, de repente,

tanto agora, como sempre!!!... Sherpas!!!...

15
Out09

... o capitalismo... de acordo com Michael Moore!!!...

sherpas

 

Michael Moore tem um dom. Como poucos, sabe transformar um filme num argumento político, sem esquecer que quem pagou o bilhete quer ser entretido. Tenta convencer sem ser chato, e consegue, em duas horas, apresentar argumento atrás de argumento até à conclusão inevitável que pretende. Acima de tudo, Moore percebe uma das grandes lições do ensino: nada é tão persuasivo como um bom exemplo. A história da vizinha que perdeu o trabalho tem um apelo que as estatísticas sobre o desemprego não têm.

 

... in http://www.ionline.pt/conteudo/27987-o-capitalismo-acordo-com-michael-moore

 

 

No seu último filme, Moore toca directamente as muitas feridas da economia americana. A desigualdade nos EUA cresceu nos últimos 20 anos, e o contraste entre a pobreza de muitos e o exuberante estilo de vida de poucos tornou-se chocante. Nos anos 80 e 90, o número de americanos na prisão disparou e são milhões os que não têm acesso a cuidados básicos de saúde. Mais recentemente, o plano Paulson conseguiu o prodígio de unir esquerda e direita contra a indústria financeira. A tentativa de dar de mão beijada 700 mil milhões de dólares dos contribuintes aos bancos, à pressa, sem contrapartidas, e à revelia de qualquer controlo legal ou político, despertou em muitos a certeza de que Washington está ao serviço dos mais ricos.


Moore brilha sobretudo nos exemplos. O caso de uma pequena cidade na Pensilvânia onde um juiz corrupto enviou dezenas de adolescentes injustamente para uma cadeia gerida por uma empresa privada provoca arrepios. Nenhum gráfico sobre o declínio da indústria automóvel americana tem o impacto das imagens dos bairros e das cidades abandonadas à volta de Detroit onde as principais fábricas do sector se concentravam.


Tudo combinado, temos uma obra de propaganda notável. Sim, porque é de propaganda que se trata, e Moore não tem receio de o admitir. Logo à entrada, o estereótipo da comparação da América actual com o Império Romano à beira do declínio não deixa margem para dúvidas. Ora o sucesso de uma obra de propaganda mede-se de duas formas. Em primeiro lugar, pela capacidade de convencer os não fiéis. Em segundo lugar, pela veracidade dos argumentos e pela capacidade dos exemplos de representarem fenómenos gerais. Convém que à saída do cinema o espectador não descubra, em conversa, que acabou de ser enganado.


O filme de Moore falha em convencer, porque exagera na tentativa de mostrar tudo na perspectiva do "nós contra eles". Moore concorda com a maioria das pessoas que Ronald Reagan, para o bem e para o mal, foi um dos presidentes mais marcantes dos últimos 50 anos, responsável pela viragem à direita dos EUA. Mas depois não resiste à tentação de o caricaturar como um homem fraco e sem ideias, um mero fantoche dos interesses dos bancos. A fonte universal do mal é a administração de George Bush e Dick Cheney, mas depois as armas são disparadas sobre Robert Rubin, o ministro das Finanças de Bill Clinton. No filme, tudo o que há de mau nos EUA, incluindo o furacão Katrina, é culpa do capitalismo. Num momento comovente, Moore entrevista dois viúvos, e o seu sofrimento é tão contundente que apetece gritar contra o capitalismo. Porém, segundos depois, o espectador descobre que os falecidos não morreram de um ataque agudo de capitalismo, mas de asma e cancro.


Nós, os doentes, os opositores de Bush, até os cristãos, somos os bons. Eles, os capitalistas, são os maus. O filme de Moore lembra os filmes de propaganda comunista que saíam da União Soviética nos anos 30 e 40. Quando tantas pessoas eram analfabetas, esta oposição ridícula entre o bem e o mal, aliada a alguma sofisticação na filmagem, conseguia converter. No século xxi só entusiasma os fanáticos da causa.


O castelo de exemplos que Moore monta ao longo do filme também cai ao primeiro sopro de pensamento. A desigualdade aumentou nos EUA, mas, olhando para os números, os 10% mais pobres estão bem mais próximos da classe média hoje do que há 20 anos. O aumento na desigualdade surge no fosso entre a classe média e os 1% mais ricos. Não eram as imagens de vagabundos na rua que deviam preocupar Moore; eram antes os bancários com cursos superiores que ele ridiculariza mas lutam para pagar as contas e mandar os filhos para a faculdade enquanto a Paris Hilton se cobre de jóias.


A corrupção de um juiz é sem dúvida um dos crimes mais graves num estado de direito. Mas a corrupção não é um problema só do capitalismo. Diz-nos a experiência que nos regimes comunistas há mais corrupção e com consequências mais trágicas. Além disso, Moore pode acusar os tecnocratas capitalistas pela crise financeira, mas as maiores falhas na supervisão sobre os mercados foram cometidas por instituições presididas por congressistas e "boys" dos partidos. Na cabeça de Moore há uma grande confusão entre os problemas do capitalismo e os problemas das democracias ocidentais.


O declínio de Detroit é chocante, mas valia a pena contrastá-lo com a ascensão das cidades do Sul, onde a nova indústria automóvel se tem instalado. Estavam abandonadas devido ao declínio da agricultura e têm florescido com a abertura de fábricas que, com gestão europeia e japonesa, e designs importados, têm os níveis competitivos de produtividade que Detroit e as marcas americanas por alguma razão não alcançam.


Por fim, Moore cai no ridículo. Apesar de todos os anos milhares de pessoas aprenderem em MBA e cursos de Economia pelo mundo fora o que são derivados, Moore só consegue arranjar um pobre desgraçado que em tempos trabalhou num banco para lhe dar uma explicação. Quando o homem não consegue dizer duas frases seguidas com sentido, Moore não procura quem explique melhor. Prefere concluir logo que os derivados são incompreensíveis.


Além de uma análise do presente, Moore oferece as suas previsões para o futuro. Inspirado por greves e manifestações de algumas centenas de pessoas há um ano atrás, Moore prevê uma grande revolução socialista. Infelizmente, nos últimos meses, as maiores manifestações nos EUA têm sido organizadas pela direita contra as subidas de impostos e a reforma do sistema de saúde. Obama iria repor a justiça no mercado financeiro, mas os principais economistas da sua administração são os mesmos que Moore critica durante o filme. Por fim, Moore acredita que as cooperativas e a autogestão das empresas pelos trabalhadores são o futuro. Percebe-se que um americano possa ter estes sonhos. Um português, que passou pelo pós-25 de Abril e pelo PREC só pode desanimar ao perceber que o futuro promissor de Michael Moore é o passado falhado de tantos países.


Moore, aliás, contribui como poucos para a imagem que os europeus têm do americano arrogante e ignorante. Com um tom muito sério, explica que a razão pela qual temos na Europa um estado -providência forte é a influência dos conselheiros que Roosevelt enviou para ajudar à reconstrução no pós-guerra. De acordo com Moore, foram essa meia dúzia de americanos esclarecidos que escreveram as nossas constituições e definiram as nossas sociedades. Que, talvez, os europeus tenham feito as suas próprias escolhas, que tenham as suas razões e pensem pelas suas cabeças, ou que existam na Europa dirigentes e pensadores com alguma influência, é algo que não passa pela cabeça de Moore.


O que este filme mostra é o fracasso da economia na comunicação de princípios básicos. Seria impensável hoje realizar um filme contra a democracia, embora a linha de argumentação de Moore precisasse de poucos ajustamentos para servir esse novo papel. Desde muito cedo, na escola, todos aprendemos que por muitos defeitos que tenha a democracia é o menos mau dos sistemas de governo. O capitalismo também é o menos mau dos sistemas económicos, mas atacá-lo não é censurável, e sim "cool". Nesta narrativa não há lugar para muitas variedades de capitalismo, nem para o papel da regulação em evitar muitos dos seus excessos.

 

Nesta longa linha de ataques ao capitalismo, será este filme ao menos bom entretenimento? Nos seus filmes anteriores, Moore usava arquivos extensos de filmagens com políticos e entrevistas com pessoas importantes e arrogantes para mostrar a sua ganância e estupidez. Estes momentos - "apanhei-te!" - eram a principal fonte de diversão. Mas Moore é hoje uma vítima do seu próprio sucesso. Ninguém de relevo quer falar com ele. Resta-lhe passar minutos infindáveis do filme aos gritos com um megafone à porta de prédios cinzentos, sem que ninguém lhe preste atenção. Michael Moore é um cineasta talentoso. É triste vê-lo reduzido a um velho louco aos gritos no meio da rua.

 

... enfim... "é triste vê-lo reduzido a um velho louco aos gritos no meio da rua".  Sherpas!!!...

14
Out09

... desoras!!!...

sherpas

 

… nebulosas faces me perseguem interrompendo descanso imerecido,

rotina do dia que acaba, já cumprido,

sem afazeres de monta, num faz de conta, período de afastamento,

sem tarefas, aposentado,

juntando dias, meses, anos acumulados,

arrostando caras esbatidas, presentes em todo o lado,


fantasmas doces que acariciam meu rosto, deleitam-me, sorrio, ainda prostrado,

cambaleando, ergo-me do leito, dono do corpo prossigo por salas vazias da casa,

ensonado, perdido, confuso, sem destino,

tossico,

estendo-me num sofá que por ali está, ilha na escuridão que me rodeia,

acalmia tão grande, sossego, descansam os vivos, os mortos estão

vivos quando os recordo,

presentes,

testemunho o que foram quando gentes,


inquietação, dificuldade na respiração, algum receio do que se torna constante,

ansiedade indecifrável que amedronta, interrompe sono agitado, constância doentia,

quase apatia,

desagradável sensação de quem está só no meio da multidão,

silêncio que não silencia quem delicia

trazendo sentimento que julgava perdido, quando acompanha, acaricia,

faz companhia,


deambulo, sento, levanto, estendo, cerro olhos, abro luzes da sala,

percorro tudo que me rodeia,

desempenho tarefas domésticas na cozinha, arrumo tachos, panelas, talheres,

descasco batatas, cenouras, acendo aquecedores,

vou-me entretendo,

afastando imagens que provocam ideias que envolvem,

nada resolvem,


encaminho passos, ligo o computador, martelo teclas, escrevo,

despejo o que estranho, levanto, faço abluções matinais a desoras,

ensaboo a barba que desfaço,

quando a retoco e faço, desfazendo,

lavo o rosto, componho o corpo,

mato o tempo, meio morto de sono,

sem demoras, afanoso, ocupado, perseguido,

faces estranhas, noite perdida,

pedaço de vida… não conseguido!!!... Sherpas!!!...

 

13
Out09

... VIVE... la FRANCE!!!...

sherpas

 

Le chef de l'Etat est intervenu dans la débat autour de la prochaine arrivée de son fils Jean à la tête de l'Epad. Il a dénoncé une polémique "sans fondement". L'affaire fait quand même grincer des dents certains députés UMP.

 

... in http://www.lexpress.fr/actualite/politique/nicolas-sarkozy-defend-son-fils_794139.html

 

Sarkozy père à la recousse de Sarkozy fils. A la suite de son discours à l'Elysée sur la réforme des lycées, la presse l'a questionné sur la future arrivée de son fils Jean, à la tête de l'Epad, l'établissement public gérant le patrimoine immobilier du quartier de La Défense.


Le chef de l'Etat a alors répliqué aux journalistes: "Hier, vous étiez passionné par quelle polémique? Celle de Frédéric Mitterrand. Très bien, ça c'est normal, vous suivez les polémiques, parfois vous les précédez et moi je dois suivre les réformes et résoudre les problèmes".


"Tout ce qui donne en pâture une personne [...] ce n'est jamais bien"


"Tout ce qui donne en pâture une personne, sans fondement, de façon excessive, ce n'est jamais bien", a-t-il ajouté.


Ironie du sort, lors de son discours sur les lycées, le président a tenu à évoquer la création de ces établissements par Napoléon en 1802 soulignant leur rôle dans la promotion de l'égalité des chances.


"Un geste qui signifiait, très concrètement, la fin des privilèges de la naissance. Cela voulait dire: 'Désormais, ce qui compte en France pour réussir ce n'est plus d'être 'bien né', c'est d'avoir travaillé dur et d'avoir fait la preuve, par ses études de la valeur", a expliqué le chef de l'Etat.


Jean Sarkozy, âgé de 23 ans, est actuellement étudiant en deuxième année de droit.


Pénurie de ressources humaines dans les Hauts-de-Seine?


N'en déplaise à Nicolas Sarkozy, la polémique embarrasse certains députés UMP. Mardi matin, lors de la réunion de leur groupe, le député UMP des Yvelines Pierre Cardo a dénoncé "l'affaire de l'Epad", applaudi par ses collègues.


Evoquant la législative partielle dans les Yvelines, où se présente l'ex-judoka David Douillet, Pierre Cardo s'est agacé: "Au premier tour, on a déjà eu des attaques sur la taxe carbone et sur les affaires de quelques membres du gouvernement", a-t-il dit dans une allusion à la polémique autour des écrits de Frédéric Mitterrand. "Et maintenant, pour le second tour, on a l'affaire de l'Epad".


"Il y un problème de ressources humaines dans les Hauts-de-Seine !" a renchéri le député René Couanau (Manche), selon les participants.


Le patron des députés UMP Jean-François Copé, qui revendique habituellement d'être le garant de la libre parole de ses troupes, a alors aussitôt mis fin au débat, selon les témoins.


"J'assume. J'ai suggéré qu'on n'ouvre pas un débat à l'infini sur ce sujet. Il m'a semblé que l'expression -allusive mais claire- qui avait été celle de Pierre Cardo (résumait) ce que peut-être un certain nombre d'autres voulaient dire. Sur ce sujet, beaucoup a été dit et il y a un moment où il faut faire la différence entre ce qui relève de l'écume de l'actualité et ce qui relève des sujets de fond", s'est justifié M. Copé devant la presse.

 

... enfin... c´est la vie!!!... Sherpas!!!...

12
Out09

... fortuitos!!!...

sherpas

 

... manto diáfano q´ensombrece,

disfarça o que não passa, parece,

lucubrações com que adentro

treva que s´esparge, não enobrece,

atitude menos digna, gesto ignóbil,

acto de quem se julga protegido,

muito acima do que padece,


tratados como muralha que se derruba,

se deita fora, catacumba,

cemitério onde tudo se junta

o nobre, o plebeu, o rico, o pobre,

o esterco que odoriza como fermento,

germe que galvaniza situação,

causando incomodidade, exaltação,

do que usufrui, do que sofre,

mau-estar que s´instala, dado momento,

junção de componentes adversos

numa grande contradição,

calda explosiva que se forma,

quebrando regra, quebrando norma,


massa com que se verrina, desmerece,

impropério do mais esquecido,

desafogo em que se refugia,

donde aventa, em defesa do excluido,

qual correnteza imparável d´imenso rio,


pedacinho de DEUS, flâmula que ainda reclama,

cintila com insistência, não reverencia vetusta dama,

marcando ritmo contra sabujo, de viés enriquecido,

tangenciando ignomínia, vergonha,

nódoa rugosa que rejeita,

qual entrave que s´assemelha a peçonha,

culpa gravosa de quem mente,

não aceita,

como ser decente, como gente,


num pedinchar de compreensão, quando não teve,

insensível, denegou, s´absteve,

frio, calculista, arrecadou haveres dúbios portentosos,

fora das leis, por todo o MUNDO,

cavalgando luxos ostentosos,

locais d´espavento, escaninho profundo,


fora de tudo, fora de todos,

foram imunes, foram tão poucos,

conluios pesporrentes, afrontos,

nos imensos lucros, foram loucos,


segredos q´agregam vontades desbragadas,

mentes que s´assemelham nos intuitos,

sorrisos atrozes, reuniões marcadas,

encolhimentos, encontros fortuitos,

foram tão poucos, foram tão loucos,

juntaram ganhos, roubaram muitos,

calcaram tantos, foram imundos,


paralelos que se não juntam, eclodem,

formam massa informe no cemitério,

implosão extemporânea, fora da tumba,

quando se desmorona, se derruba

muralha que desprotege... oculto mistério!!!... Sherpas!!!...

 

 

11
Out09

... NOBEL... da PAZ!!!...

sherpas

 

The Nobel committee did President Obama no favors by prematurely awarding him its peace prize. As he himself acknowledged, he has not done anything yet on the scale that would normally merit such an award — and it dismays me that the most important prize in the world has been devalued in this way.


Thomas L. Friedman

 

... in http://www.nytimes.com/2009/10/11/opinion/11friedman.html?_r=1&ref=opinion

 

Times Topics: Nobel PrizesIt is not the president’s fault, though, that the Europeans are so relieved at his style of leadership, in contrast to that of his predecessor, that they want to do all they can to validate and encourage it. I thought the president showed great grace in accepting the prize not for himself but “as an affirmation of American leadership on behalf of aspirations held by people in all nations.”


All that said, I hope Mr. Obama will take this instinct a step further when he travels to Oslo on Dec. 10 for the peace prize ceremony. Here is the speech I hope he will give:


“Let me begin by thanking the Nobel committee for awarding me this prize, the highest award to which any statesman can aspire. As I said on the day it was announced, ‘I do not feel that I deserve to be in the company of so many of the transformative figures who’ve been honored by this prize.’ Therefore, upon reflection, I cannot accept this award on my behalf at all.


“But I will accept it on behalf of the most important peacekeepers in the world for the last century — the men and women of the U.S. Army, Navy, Air Force and Marine Corps.


“I will accept this award on behalf of the American soldiers who landed on Omaha Beach on June 6, 1944, to liberate Europe from the grip of Nazi fascism. I will accept this award on behalf of the American soldiers and sailors who fought on the high seas and forlorn islands in the Pacific to free East Asia from Japanese tyranny in the Second World War.


“I will accept this award on behalf of the American airmen who in June 1948 broke the Soviet blockade of Berlin with an airlift of food and fuel so that West Berliners could continue to live free. I will accept this award on behalf of the tens of thousands of American soldiers who protected Europe from Communist dictatorship throughout the 50 years of the cold war.


“I will accept this award on behalf of the American soldiers who stand guard today at outposts in the mountains and deserts of Afghanistan to give that country, and particularly its women and girls, a chance to live a decent life free from the Taliban’s religious totalitarianism.


“I will accept this award on behalf of the American men and women who are still on patrol today in Iraq, helping to protect Baghdad’s fledgling government as it tries to organize the rarest of things in that country and that region — another free and fair election.


“I will accept this award on behalf of the thousands of American soldiers who today help protect a free and Democratic South Korea from an unfree and Communist North Korea.


“I will accept this award on behalf of all the American men and women soldiers who have gone on repeated humanitarian rescue missions after earthquakes and floods from the mountains of Pakistan to the coasts of Indonesia. I will accept this award on behalf of American soldiers who serve in the peacekeeping force in the Sinai desert that has kept relations between Egypt and Israel stable ever since the Camp David treaty was signed.


“I will accept this award on behalf of all the American airmen and sailors today who keep the sea lanes open and free in the Pacific and Atlantic so world trade can flow unhindered between nations.


“Finally, I will accept this award on behalf of my grandfather, Stanley Dunham, who arrived at Normandy six weeks after D-Day, and on behalf of my great-uncle, Charlie Payne, who was among those soldiers who liberated part of the Nazi concentration camp of Buchenwald.


“Members of the Nobel committee, I accept this award on behalf of all these American men and women soldiers, past and present, because I know — and I want you to know — that there is no peace without peacekeepers.


“Until the words of Isaiah are made true and lasting — and nations never again lift up swords against nations and never learn war anymore — we will need peacekeepers. Lord knows, ours are not perfect, and I have already moved to remedy inexcusable excesses we’ve perpetrated in the war on terrorism.


“But have no doubt, those are the exception. If you want to see the true essence of America, visit any U.S. military outpost in Iraq or Afghanistan. You will meet young men and women of every race and religion who work together as one, far from their families, motivated chiefly by their mission to keep the peace and expand the borders of freedom.

  ... ESPERANÇA... somente!!!...

 

“So for all these reasons — and so you understand that I will never hesitate to call on American soldiers where necessary to take the field against the enemies of peace, tolerance and liberty — I accept this peace prize on behalf of the men and women of the U.S. military: the world’s most important peacekeepers.”

 

 

 

... O MUNDO... agradece!!!... Sherpas!!!...

 

10
Out09

... Oh PÁTRIA!!!...

sherpas

 

…alma dilacerada, chorosa,

penas, que se avolumam,

sentires, que se não sentem,

corações que espumam, que expurgam,

raivas, ódios…quando, mentem,

Oh, Pátria, bem ditosa!!!...

Quão conspurcada, quão desfeita,

quanta fantasia, malícia, hipocrisia,

com que se semeia, se enfeita,

pequena parcela, num recanto,

num molhinho, que se rejeita,

num grupinho, puro encanto!!!...


Oh, Pátria, escarnecida,

alma dilacerada, chorosa,

usada, mais que vendida,

por gente vil, pecaminosa,

pelo oiro, mais que rendida,

deslumbrada, promíscua, corrupta,

envolta numa constante luta,

pelo Poder que se não merece,

que se esvai, que se encurta,

que se esboroa, que fenece!!!...


Oh, Pátria dos aviltamentos,

tristes cenas, ridículos momentos,

quando se esquece, quando se enjeita,

gente com fome, com pranto,

misérias que… nos ofuscam,

descalabros de coisa, mal feita,

com falsidades, com tanto engano,

negociatas, que os ocupam,

viagens e… mordomias,

suas amplas, vastas alegrias,

extravagâncias de excelências,

dementes… puras excrescências!!!...


Oh, Pátria dos esquecimentos,

de história tão mal escrita,

não a de dantes,

a mais recente, actual, ainda viva,

atitudes, cenas aberrantes,

tão pouco exemplar, nada cativa,

excrementos, dejectos, farsantes,

personagens, pobres descrentes,

outros seres, outras gentes,

egoístas exacerbados,

que não olham… os desgraçados!!!...


Oh, Pátria, reles País,

nos que afundam, que desdenham,

quanto e quando se contradiz,

quando não fazem, se não empenham,

Povo triste, nada feliz,

pouca coisa, reles trapaça,

que se não risca, não traça,

antes se calca, se espezinha,

numa chacota, numa rinha,

devaneio…muito paleio,

convencimento, baixo momento,

algaraviada…fantochada!!!...


Oh, Pátria, desditosos filhos teus,

enteados, mais que muitos,

filhos doutros, filhos meus,

receptáculo de certos fluidos,

restos, sobras, sarcasmos,

barulhos, surdinas mirabolantes,

tanto agora, como dantes,

manipulados, postos de lado,

Povo que lavas no rio,

abusado…mais que calcado!!!...


Oh, Pátria, tão pouco amada,

tão mal entregue, quase nada,

terra que se contradiz,

tão baixo… o seu cariz,

deixada ao desvario,

barco sem rumo, descambado,

esperança, presa por um fio,

entregue a grandes negócios,

a gentes de muitos ócios,

sem responsabilidade, sem verdade,

completa incapacidade!!!...


Oh, Pátria…sem Restelo,

sem contraditório, sem velho,

profundo pesadelo,

Pátria duma só voz,

imposta, ditatorial,

pressionada, como uma noz,

que estala, se fragmenta!!!...


Quando se destrói,

logo se renova, logo se reconstrói,

logo se reencontra, se revolta,

num ápice, numa volta,

num reflexo, num amplexo,

por um passado glorioso,

como Povo… sem igual,

não estático… grandioso,

como somos…em Portugal!!!...Sherpas!!!...

 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Links

Os meus links

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D