Terça-feira, 17 de Junho de 2008

... Mário Soares... clarividente!!!...

ALERTA, COM ENSINAMENTOS



Mário Soares

Na semana passada Portugal - bem como a Espanha, a França e um pouco o Reino Unido - foi surpreendido por um fenómeno novo a que os jornais chamaram, impropriamente, greve dos camionistas. Impropriamente, digo, porque se tratou mais de um lock-out, paralisação e bloqueio ordenados pelos patrões, pequenos e grandes, do que de uma greve dos motoristas contra os patrões, visto que estes aderiram ao lock- out, com receio justificado de perderem os seus postos de trabalho.


A verdade é que essa manifestação colectiva, contra o aumento dos preços do petróleo e do gás, afectou as pequenas e grandes empresas, é óbvio, mas não foi da responsabilidade do Governo - de nenhum dos governos dos países atingidos -, mas sim consequência directa da crise múltipla, energética e alimentar, além de outras, que partindo dos Estados Unidos e da globalização neoliberal, anglo-saxónica e especulativa, afecta agora o mundo em geral e a Europa, carente de combustíveis, em particular.


A paralisação e o bloqueio dos camionistas criaram graves problemas a toda a população, uma vez que são os camionistas que, principalmente, alimentam de produtos frescos - legumes, frutas, leite, ovos, peixe e carne - as grandes superfícies e o pequeno comércio que ainda subsiste. Os consumidores em geral ficaram aterrados com a falta dos combustíveis e, principalmente, dos produtos de consumo quotidiano. Fizeram uma corrida nunca vista às bombas de gasolina e aos hipermercados. Mas também houve muitos que temeram pelo carácter inesperadamente violento, que as manifestações tomaram, forçando os camionistas que não queriam aderir ao lock-out, apedrejando os camiões em que seguiam e mesmo incendiando alguns. Houve um morto, acidental, que obviamente todos lamentaram. E houve outros sectores - como pescadores, agricultores, empresários de viveiros de aves, taxistas, etc. - que se preparavam para se juntar aos protestos e ameaçaram também paralisar. Com a publicidade que foi dada por todas as televisões e rádios às manifestações - que chegaram a competir, em espaço e tempo reservado ao euro-futebol - muitos portugueses chegaram a pensar que estávamos a entrar num período caótico... As pessoas assustaram- -se, com razão...


Perante o silêncio intolerável de alguns responsáveis políticos e de partidos da oposição, como o PSD, começaram os ataques ao Governo por inacção, fraqueza, desorientação. Sem razão, diga-se, em abono da verdade. O Governo - e em especial o primeiro-ministro, o ministro das Obras Públicas, a secretária de Estado dos Transportes e o ministro da Administração Interna, mantiveram o sangue frio, como se impunha, e tiveram a prudência de nunca cortar o diálogo com os manifestantes: a Antram, os empresários mais pequenos e os camionistas por conta própria. Fizeram bem. Chegaram a acordo com os interessados e desmobilizaram os manifestantes, sem cederem no principal. Ou seja: sem conceder subsídios aos interessados para fazer baixar, artificialmente, o preço da gasolina e do gasóleo, como eles pretendiam. Essa era a linha limite, inegociável! Porque equivaleria a pôr em causa o equilíbrio financeiro do Estado - nomeadamente o deficit das contas públicas - que com tão grande esforço foi conseguido. Os governos de Espanha e de França não fizeram melhor. Antes pelo contrário. E reconheçamos que no debate final, no Parlamento, o primeiro-ministro nas suas intervenções e respostas, directas, precisas e claras, convenceu.


Claro que a crise global não é só energética e alimentar - as duas que mais afectam os cidadãos comuns. É também política, financeira, económica, social e ambiental. Uma crise de civilização, estrutural, que teve o seu epicentro na América de Bush - que está a chegar ao fim do seu mandato - e que começa a repercutir-se na Europa e nomeadamente na nossa vizinha Espanha.


Vai chegar cá. Ninguém tenha ilusões. As pessoas conscientes estão a perceber que é inevitável que assim aconteça. Mas é preciso fazer-lhes frente, com coragem, inteligência e bom senso. É, por isso, que todos começaram a manifestar preocupações sociais (que muitos antes não tinham) e ninguém já se atreve a reclamar - como no passado recente - "menos Estado", "mais privatizações de sectores públicos" e a apostar na globalização neoliberal, cujos desastrosos resultados estão à vista.


É preciso que se compreenda que, no mundo de hoje, mais do que nunca, o que contam são as pessoas, não as empresas, porque as empresas também dependem das pessoas. Ora, estas - como se tem visto -, se exploradas ou feridas na sua dignidade podem revoltar-se quando menos se espera.


Acontece que os Estados não têm resposta fácil para um tal cenário. Dado que a força bruta funciona mal nas sociedades abertas e democráticas.


Há soluções para as crises que aí estão? Evidentemente que há. É preciso mudar de paradigma, quanto mais rapidamente melhor. O neoliberalismo e o capitalismo de casino estão esgotados. As grandes concentrações de capital, a falta de ética nos negócios, os vencimentos milionários dos administradores dos bancos e das grandes multinacionais e a exploração infame dos outros trabalhadores estão a destruir o capitalismo que conhecemos no passado e que tanto se degradou nas duas últimas décadas. O Novo Capitalismo está a nascer, pela força das coisas, como escreveu Dominique Plihon num livro que tem esse nome. Ou Stiglitz, no seu último livro, Making Globalization Work, ou Soros: The Bubble of American Supremacy, ou mesmo Alan Greenspan, ex-presidente do banco federal americano: A Era da Turbulência, Aventuras num Novo Mundo; ou ainda Moisés Naim, Le livre Noir de l'économie Mondiale - Contrabandiers, Trafiquants et Faussaires; para não falar de Jean-Hervé Lorenzi: La guerre des Capitalismes... É aí que estamos. Na guerra entre os diferentes capitalismos. Em busca de novas soluções que trarão ao mundo mais equidade e mais paz. Menos corrupção e desigualdades. Em busca de soluções em que devem reflectir os políticos responsáveis e, ao mesmo tempo, terem a coragem de ousar pô- -las em prática. Estamos num momento de viragem e o tempo urge. Os acontecimentos não esperam...

 

... in DN!!!...

 

... perante tal discernimento, conhecimento profundo do MUNDO que o rodeia... inclino-me respeitosamente!!!... Comparativamente com palradores charlatães, apelidados de comentadores de política inclinada... quanta distância, meu Deus!!!... É um facto, mais que constatado... só não vê quem não quer, quem pretende ainda solução esgotada, clubite sem fundamento, alternância como contradança!!!... O mal está em Bruxelas, esteve, continua estando com BUSH, com o Reino Unido também, com uma pálida amostra do Sarko, do cavalieri italiano, passando pela Merkle, claro!!!... Algum desleixo da família a que pertence, a social-democracia que se deixou levar pela união ou entendimento feito... deslumbramento que não a caracteriza, "doce" remanso no capital, carreirismo de quem segue!!!... Plenamente d´acordo, desculpando defeitos passados!!!... Enfim!!!... Sherpas!!!...

 

... à portuguesa!!!...

 

publicado por sherpas às 06:10
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De tv a 25 de Novembro de 2010 às 00:43
Vi na televisão que a greve geral registou grande adesão, segundo os sindicatos. Já o Governo desvaloriza os números, situando a adesão nos 18%. Mais uma vez as conclusões divergem.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31

.posts recentes

. ... sabores!!!...

. ... experimentação!!!...

. ... PIRATAS!!!...

. ... descalçar... as BOTAS...

. ... pérolas!!!...

. ... bocejo!!!...

. ... reprimenda!!!...

. ... heróis e... cavaleiro...

. ... se possível fosse!!!....

. ... TATE!!!...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.favoritos

. ... antes que... a vida, ...

.links

.as minhas fotos

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds