Domingo, 28 de Novembro de 2010

... quando nascidos...

 

… quando nascidos, ainda pequenos,

filhos dos filhos, das filhas… também,

achámos graça, ficámos amenos,

embevecidos, como quem os tem,

satisfação pelo acontecido,

mais um ente querido, netos e netas,

esperneando, olhos cerrados,

bochechas rosadas, ternuras, carinhos,

sorrisos abertos, seres amados,

quando nos ninhos,

trabalhos dobrados,

acréscimo, noites em claro,

choros, aflições,

acumular de preocupações,

foram crescendo, chorando e comendo,

fizeram-nos adultos, iguais aos pais,

agora, arvorados em avós,

pela idade, mais maduros, pais a dobrar,

a quem nos podemos encostar,

fazendo com os netos, o que fizeram a nós,

papel que se repete,

que se não inflecte,

que faz recordar tempos já idos,

retirados da vida, uma ocupação,

pelos filhos amigos,

quase obrigação!!!...

 

… pelas ruas, junto às casas, velhos e velhas,

num requebro encontrado,

esquecem as telhas

já gastas, com rachas,

mazelas em barda, doenças e chagas,

dão uma corrida, ensinam a brincar,

protegem a cria, cuidados de sobejo,

responsabilidade só dada,

para estar, para ficar,

naquela morada, na casa dos avós,

tão pais como nós,

ajuda a dobrar!!!...

 

… no início, não têm vida, não têm disponibilidade,

um filho que nasce, um lar, uma creche,

dinheiro que lhes falta, amparo dos pais,

corrida desenfreada, relógio que não para,

dura tarefa, diária, realidade,

o menino que… não cresce,

escape, saída, compensação,

amor, compreensão,

muita vontade,

sorriso, ternura, repetição,

impossibilidade dos filhos que têm,

regressam, carentes, com netos nos braços,

esboços e traços,

pequenos também,

família que se aglutina, que se empina,

que arrosta, que duplica trabalhos,

juntos como uma pinha,

passos que dão, que satisfação,

pontapé na bola, um riso, uma palavra cantada,

meio disfarçada,

mimosa… dengosa,

abrigo, casa que os acolhe, encobre,

que chora, que sofre!!!...

 

… trabalhos, canseiras, dias que se arrastam,

fim da jornada, regresso, já noite

esfalfados, menino dormido, cansado

caminho do lar, casal que aprende,

que cresce, também,

avós com netos que se têm,

ajuda bendita, melhor que creche,

corrida, passeio ao jardim,

um pássaro bonito, um banco no fim,

sentado, mas atento,

inebriado, cumprindo

sem ser obrigado,

um jogo, brinquedo, areia nas calças,

nódoa inapropriada,

já limpa, disfarçada,

que doce jornada!!!...

 

… são filhos, são pais, dão netos,

miúdos travessos, quão lindos, espertos,

bicicleta que se compra, avô diligente,

equilíbrio mantido, saídas mais largas,

quase na escola,

já rapazola,

matrícula que se faz,

encaminha-se o rapaz,

continua a tarefa,

quase vida, quase promessa,

pais, durante a noite, de manhãzinha,

na casa da avozinha, quando come, quando regressa,

no carro do avô, companheiro, braço amigo,

trazendo consigo,

amor paternal,

quase a… dobrar!!!... Sherpas!!!...

 

{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.smile} 

publicado por sherpas às 14:13
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 24 de Novembro de 2010

Después de las elecciones: EE UU y Europa

Las recientes elecciones norteamericanas se prestan a diversas interpretaciones. Votó un país diferente al que eligió a Obama en 2008 y es imposible saber qué país será el que vote en 2012. Dependerá mucho de cómo lo hayan hecho los partidos en el Congreso y en los Gobiernos estatales, de qué candidatos se elijan, de la economía y de los imponderables que sucedan en el mundo, más allá de nuestras fronteras. Merece la pena subrayar, no obstante, que en estos comicios de 2010 la política exterior y la guerra apenas han sido objeto de debate e incluso ni se han mencionado.

 

Los europeos rara vez se rebelan contra el uso de la OTAN como instrumento de la política de Washington

Europa sigue paralizada por una visión obsoleta del vínculo transatlántico

 

La nueva mayoría republicana en la Cámara, así como una ampliada y envalentonada minoría republicana en el Senado, intentará detener o sabotear los proyectos multilaterales de Obama, el acercamiento a Rusia, la relativamente cauta y cada vez más ambivalente relación con China, la renuncia (hasta ahora) a emprender la guerra contra Irán y la (mínima) presión a Israel. Demostrará poca paciencia y aún menos comprensión con los intentos del presidente de coordinar una política económica con otras naciones.

 

Antonio Caño tenía razón al señalar que los fondos destinados al desarrollo internacional, la salud y los programas sociales se verán afectados. Los republicanos, que abogan ruidosamente en favor del rigor presupuestario, enmudecerán cuando se les pida que den su acuerdo en sus distritos correspondientes a significativos recortes del gasto militar. El contradictorio proceso de toma de decisiones en la política exterior y la política militar se producirá cada vez más de ese modo.

 

Obama tiene que nombrar al sucesor de Robert Gates, que deja la Secretaría de Defensa. Tal vez designe a una figura tecnocrática, dando un alcance aún mayor al peso político de la secretaria de Estado Hillary Clinton, o tal vez pida a esta que se instale en el Pentágono. Podría nombrar luego secretario de Estado al general Petraeus, que ostenta un doctorado en Relaciones Internacionales, y encargarle de negociar la retirada de Afganistán. Uno imagina que el general estaría encantado de abandonar Kabul, empezando por él mismo.

 

Estas cuestiones nos parecen ahora muy importantes, pero de aquí a algunos años nos parecerán relativamente intrascendentes. Los historiadores subrayarán la inmovilidad de la política exterior y del aparato militar, la idea fija del liderazgo global norteamericano, nuestra incapacidad de reducir las pérdidas hasta después de consumada la catástrofe. El pueblo norteamericano, aparte de ocasionales murmullos e intereses particulares,lleva esas cargas con la paciencia de Job. El público, exceptuada una minoría de críticos, es inmune al argumento de que nuestro imperio es como el de Roma cuando vaciaba a la nación de su sustancia moral y material. Visto desde una perspectiva más amplia, poco importa que el problema sea Afganistán, China, Cuba o Irán. Nuestras élites necesitan cumplir misiones que tienen unos objetivos en absoluto sublimes, si bien no reconocidos, los del mantenimiento de su poder tanto en el interior como en el exterior.

 

¿Y qué decir de las relaciones de EE UU con Europa? En la reunión del G-20, los europeos, aunque no unánimemente, han dado a entender su rechazo a aceptar las recetas de la política económica norteamericana. En otros ámbitos, sin embargo, los líderes de la Unión Europea se muestran pasivos, paralizados todavía por cierta idea de asociación transatlántica que es obsoleta desde hace décadas. Prefieren no pensar en el primitivismo que representa el auge de los republicanos. Los europeos rara vez se rebelan contra la transformación de la OTAN en un instrumento de las políticas, la exterior y la militar, de Estados Unidos. En última instancia (como en la crisis de Georgia) solo a veces llegan a poner de manifiesto sus reservas.

 

Los ciudadanos de la UE a los que se interroga y se les toma las huellas dactilares en nuestras fronteras no tienen ese privilegio: son soldados de a pie en nuestra unilateral guerra contra el terror. Es imposible discernir el interés europeo en la guerra contra el islam practicada por el Gobierno de EE UU mientras el presidente lo menosprecie de modo tan elocuente. Un milenio de proximidad europea al mundo musulmán cuenta menos en la configuración de la política occidental que los ignorantes desvaríos presentes en nuestro Internet, en nuestros medios de comunicación y en los pasillos del Congreso.

 

La herencia del sentimiento de culpa por el Holocausto en Europa es comprensible. Pero constituye un fundamento inadecuado para la política europea en Oriente Próximo. Aparte de ocasionales rupturas con la obediencia a la titubeante línea de Estados Unidos en Oriente Próximo, en términos diplomáticos y económicos la Unión Europea ha optado allí por el desarme unilateral, cediendo a los caprichos de la política estadounidense. Los líderes de la UE parecen no ser conscientes de que en Estados Unidos existe una creciente impaciencia de mucha gente frente a Israel, incluyendo a un considerable número de judíos americanos.

 

Es verdad que la aquiescencia europea a la pelea norteamericana con Irán no es total. Pero el firme rechazo de Brasil y Turquía a aceptar la absurda versión norteamericana sobre lo que pasa en Irán todavía contrasta con la discreta reticencia de los europeos. Sin embargo, dicha versión legitima el emplazamiento de misiles en Europa y de ese modo hace del continente un campo de tiro potencialmente disponible tanto para "cruzados" como para islamistas.

 

Mientras los europeos no conciban su política exterior y su política militar basadas en su propia historia, buscarán una asociación con un Estados Unidos construido según su imaginación. La idea de que la realidad disciplinará a los republicanos recién llegados a Washington es más que dudosa. Los presidentes norteamericanos rara vez superan la inercia imperial, y Obama no es una excepción. El desanimado presidente y sus recién investidos adversarios se enfrentarán, pero cambiarán muy pocas cosas.

 

La cumbre de la OTAN en Lisboa debía reciclar 60 años de clichés y es difícil de imaginar lo que, sustancialmente, se logró en ella y en las consiguientes conversaciones entre Estados Unidos y la Unión Europea. A decir verdad, no está claro que se escucharan exigencias a favor de un diferente rumbo norteamericano respecto a Europa. De momento, y en cualquier caso, la política norteamericana se seguirá produciendo en una caja de resonancia.

 

Norman Birnbaum es catedrático emérito en la Facultad de Derecho de la Universidad de Georgetown. Traducción de Juan Ramón Azaola.

publicado por sherpas às 08:56
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 18 de Novembro de 2010

... fui "barrado" no TWITTER!!!..

... quase, quase... com complexo de CALIMERO//não sei porquê, ACONTECEU!!!... POXA... Sherpas!!!...

 

publicado por sherpas às 16:46
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 10 de Novembro de 2010

... frondosas, as árvores!!!...

{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.smile}

  

…frondosas as árvores, caminho refrescante,

verdadeira bênção, sombria… alongada,

por cima da estrada escura, do viajante,

pausa agradável, desejada,

no interior do carro, atmosfera pesada,

mesmo com o ar condicionado,

sob os raios implacáveis do Sol,

que, quando direccionado,

nos incomodava, pesado e mole,

pouco indulgente, castigador,

pelo calor, pelo cansaço, pelo brilho intenso,

ainda me sinto mal, quando penso,

mais satisfeito, depois de passado,

aquele mau e… bom momento,

logo depois, naquele local,

extenso túnel de verdura,

pausa, frescura,

abrigo basto, benquisto… natural!!!...

 

… quando tínhamos partido, dia fresco, agradável,

era bem cedo, não esperávamos, sequer,

fomos, como se quer,

bem dispostos, perspectivando doce jornada,

local de destino… incontornável,

pelo histórico, paisagístico, humano,

aquífero, aprazível, hábito de antanho,

costumeiro e vezeiro,

de há muito, nos roteiros de fim de semana!!!...

 

… pequena vila alentejana,

ponto de chegada de muitos visitantes,

com seu castelo, bairro judeu, judiaria,

suas fontes fartas e frescas,

recantos idílicos, verdejantes,

pequeno rio, ali ao pé… iguarias,

nos restaurantes,

lá no alto, bem perto, noutro povoado,

com suas muralhas, altaneiro,

vigilante a tempo inteiro,

praça forte, imensa fortificação,

que emoção, para os que vão, para os que estão,

na linda terra de… Marvão,

vista de Castelo de Vide, cá ao fundo,

parece um ninho de ave de rapina,

inacessível… obra de outro Mundo,

tempo de guerras, de rinha,

entre nações soberbas e orgulhosas,

separadas por fronteiras,

belicosas, por territórios… ciosas,

defendendo castelos, bandeiras!!!...

 

{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.smile}

 

… a manhã foi relaxante, descontraída,

naquele misto de Alentejo beirão,

separação, com laivos duma e outra região,

aquando da ida, à chegada… à partida,

na estrada, já de regresso, insucesso,

o calor bateu-nos à porta,

como quem diz, caiu-nos em cima,

coisas do interior, do clima,

ultimamente, não se comporta,

num desagradável amplexo,

sujeitou-nos… castigou-nos,

mesmo com ar condicionado,

pesadelo que se não suporta,

incomoda,

pouco desejado,

suplício, aliviado… por um bocado,

verdejante, viçoso, refrescante,

naquele túnel gigante,

em plena estrada, imensas árvores, em cuecas,

junto ao green, prolongamento do hotel,

ah, meu arroz de sarapatel (!!!...),

pancadinhas na bola, gastam-se umas lecas,

dão-se uns passos, gozam-se espaços,

alargam-se as vistas… até Mourão,

que emoção,

para os que vão… para os que estão!!!... Sherpas!!!...

 

 

publicado por sherpas às 12:44
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 6 de Novembro de 2010

... não sou!!!...

… não sou, garanto que não!!!... Não sou tanta coisa, não pretendo ser, não quero… afianço!!!... Nunca me senti obrigado a nada, sempre me senti de bem comigo próprio, sempre fiz o que me preencheu… quando no activo, bem que se diga, que se escreva, que se entenda!!!... Nunca tive mais olhos do que… barriga, sempre me contentei com o que me chegava, suando as estopinhas, por vezes!!!... Nunca me fui com futebóis, nem com bandeirites exacerbadas, ligado, de alma e coração… a um partido político, tendo e mantendo, como é óbvio, ideias e inclinações, claro!!!... Sempre gostei dos humanos, grupo a que pertenço, grupo que me escandaliza, às vezes, que me glorifica… outras tantas!!!... Quando me indigno, quando berro minhas frustrações, quando aponto o dedo, bem direito, a esmo… contra quem prevarica, podem crer, faço-o com fúria, convencido das minhas razões!!!... Não sou melhor, (???...) nem pior (!!!...)… afirmo-o com convicção, quase dou a minha palavra de honra, a que me honra, a que me enaltece, a que me mantém no lugar, como deve, sendo o que sou, não sendo… o que não sou, simplesmente!!!...

 

… não sou dotado, não sou tonto, não sou demente… mortal igual a tantos outros, afinal, que gosta de pensar, de reflectir sobre tudo, sobre nada, indiferente a correntes, aplaudindo as que contribuem para um melhorar de vida dos meus conterrâneos, dos mais desgraçados, pertencentes ao grosso rol de abandonados, esquecidos, espezinhados e ignorantes, por interesses dos que nos têm desgovernado… ao longo destes trinta e tantos anitos, os das alternâncias, quando governos, é evidente!!!... Todos os males que nos assolam… lhes pertencem, quanto a culpas, porque… quando tiveram o pássaro na mão o deixaram fugir, sem apelação, pouco fazendo em proveito da população!!!... Por isso, não sou, não pretendo ser, não quero… tão pouco, garanto!!!... Quando escrevinho como gosto, quando me oponho, quando contraponho, quando insisto… uma e outra vez, não faço política, nem um pouco sequer, favorável a quem quer que seja!!!... Limito-me a colocar no papel, neste caso no P.C., a minha revolta, a minha indignação, mantendo no espírito, ainda expectante… a tal utopia, a tal ilusão!!!... Palavra de honra que falo de coração, antes… com o dito, na ponta da língua!!!...

 

… não sou orgulhoso, hipócrita, mentiroso, aldrabão, faz de conta… dependente de sondagens, de palmadinhas nas costas, de beija-mãos, de vénias, de favores, de deslumbres, convencido… bacoco e apalermado, como vejo por tanto lado, quando empertigados, pobres coitados, se alçam a posições de relevo, encandeados com o brilho que deles brota, de iluminados, simples fulgores, alvores tão curtos e breves, passagens repentinas, fugazes!!!... Podem crer que… não sou!!!... Tão simples e vulgar, anónimo como pretendo… pelo que escrevo, desnudando-me, entregando-me de corpo e alma, por via das circunstâncias, embora querendo, não consigo, também não sou, para meu mal, confesso!!!... Não ganho, nem perco… alívio, somente, como pouca gente, sendo alguma coisa, um naco de gente!!!...

 

… não sou filiado, não pretendo ser, independente… tão pouco, porque inclinado, com ideias próprias, impróprias para alguns, apropriadas para outros!!!... Coisas da vida, não arrivista, dotado de fantasia, dono do meu tempo… que gasto como quero, assim espero, continuando gastando!!!... Por enquanto, pretendo ser alguém que… contra a corrente, sendo castigado na carteira, como toda a gente, gostaria de averiguar, até ao final da legislatura, o resultado da governação socialista, pelo menos três, quase quatro anos, tal como os outros, os da alternância, a fim de comparar, de poder falar… de eliminar, se preciso fosse!!!... É que os apeados, há seis mesitos apenas, os que não provaram nada, já se empertigam, quando fustigam, esquecendo as asneiras cometidas… ainda há pouco, há poucochinho!!!... Se os que estão, tiverem governação, pela negativa… deixarei de ser o que não sou, não sendo, passarei a ser, sendo, filiado (???...) até, garanto!!!... Não é ameaça, simples chalaça, maneira de ser, maneira de estar… um simples pensar???... Penso, com este meu grito… alertar, se me lerem, os que, com uma cruzinha, no local indicado, poderão premiar quem merece castigo!!!... Pensem um pouco, pensem comigo, sendo… ou não sendo!!!... Sherpas!!!...

 

publicado por sherpas às 21:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

... restos!!!...

 

… vivemos num ESTADO de direito, vociferante tresloucado,

de recurso em recurso, por meandros, por atalhos,

buscando saída boa, confiando em advogados,

mediante dinheiros, pagamentos, prebendas de bem situado,

sufragando bons ofícios, superiores, na relação,

não poupando diatribes, gritarias, quantos ralhos,

agarrado a bom quinhão, cacique de profissão,

alguns restos de colecção,

confiança que vai mantendo, tamanha ofuscação,

contra tudo, contra todos, dever que não entende

quando perde, num repente,

 

desvario de quem não convence, entre a mentira e a verdade,

ocultando realidade,

dúvida que persiste, está patente, estigma com que fica, permanece,

povo manso que se faz passar por parvo,

confiança não lhe merece,

perante ofensa, tanto agravo,

 

prendinhas que nos deixaram, bastas, bem repartidas,

como quem diz, como quem aguenta,

escórias que ascenderam, oportunas, mais que sabidas,

habilidade no perceber, leis que interpreta,

inventa,

indo ao jeito, de feição,

ESTADO que é NAÇÃO,

leis do PARLAMENTO, PODERES que se completam, tão paralelos que estão,

sem interferência,

colisão,

independentes se vão recreando, quando se aplicam,

tendo o direito, como ocupação,

 

canhenhos que se avolumam,

produção cumulativa, legisladores que tanto amanham,

analisam, investigam, decretam com perfeição,

ajustam, quando lhes dão, p´ró BEM de muita FUNÇÃO,

na excelência, como protecção,

recursos a perder de vista aquando da execução,

suspensa, não efectiva, pena d´anos de prisão,

escassa, bem parcial conclusão,

 

mas, culpado ou inocente, coisa gravosa acontece

no tal ESTADO de DIREITO,

percurso que retrocede, encalha no que merece,

interrompe alguma loucura num comando que perdura

logo, logo arrefece,

 

raivoso, vociferante, no gesto, acutilante,

berra longuíssimo protesto na promessa que atira,

vai ser, aposta,

porque determina, porque gosta,

 

vencendo como sempre na autarquia em que se posta,

colado como lapa em rocha,

pedra e cal, bem chapado, aguardando por bom bocado,

repetição que prevê,

mais tarde… como se vê!!!... Sherpas!!!...

 

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.mad}{#emotions_dlg.sad}{#emotions_dlg.portugal}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.santarem}{#emotions_dlg.aveiro}{#emotions_dlg.portalegre}{#emotions_dlg.beja}

publicado por sherpas às 21:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Novembro de 2010

In this remote town in Mali, climate change takes on a sinister reality

Ten years ago, I ended up on the mud flats of the Nile delta with a water engineer. He explained how everything we could see around us would be under water if sea levels rose as they are predicted to do – the nearby city of Alexandria is one of the most vulnerable to climate change in the world. It was just before a major conference on climate change, and the aim had been to find stories – and images – of global warming that got beyond the cliche of a melting ice cap. But as a journalist it was hard to bring this future to life; this sleepy bit of coastline hardly evoked the sense of urgency required to mobilise the international attention needed.

 

... in http://www.guardian.co.uk/commentisfree/2010/oct/31/climate-change-mali-africa-aid

 

This is the central paradox of climate change politics, argued the sociologist, Anthony Giddens, that electorates can't grasp the significance of climate change because it is too abstract, and not dramatic enough (they need catastrophe footage), and won't – until it's too late. By the time we are experiencing massive floods, freak weather, sea-level rises and higher temperatures, we will be well past the point of doing anything about it. He christened it Giddens paradox.

 

Ten years on, the impact of climate change is frighteningly more concrete. In the remote town of Anakila in Mali, west Africa, I find what we were looking for in the Nile delta 10 years ago. Campaigners know the power of images to drive the message home, and that's why the aid agency Tearfund took me on a 1,000km journey from the capital, Bamako.

 

Three hours after we left the paved road, we arrived at low mud houses clustered under large mango trees. This is part of the Sahel, and the nine months of the dry season have always left a narrow ecological perch for the community and its subsistence agriculture. They are poor, yet the town is vibrant; the Dogon people are much admired in Mali for their resourcefulness and hard work. Circling the town are the small vegetable gardens on which they depend.

 

For years now, the elders explain, they have been worried by climate change. Disrupted rain patterns, shifts in winds have no parallel in collective memory; they notice how it is prompting changes in the behaviour of animals and birds. But all of these anxieties are dwarfed by the sand dune now looming above their town – the result of those drier, fierce winds and erratic, intense rainfall.

 

The dune stands several hundred feet high, spilling into the river and stemming its flow, slowly burying trees whose trunks are now deep in soft white sand. Plenty of fields have been swallowed by the sand already. The villagers' defences against further encroachment are hedges of euphorbia – they surround the rows of sorghum that stand pitifully in ground which is more sand than soil.

 

The dune glows golden in the sun, a dramatic and unfamiliar eruption in the landscape. This area was once forest, but gradual deforestation has thinned the tree cover and exposed the sandy soils. The dune is moving inexorably towards the outskirts of Anakila. It's a sinister sign of the vulnerability of the Sahel, the grasslands that border the Sahara in a swath across Africa, and where millions have farmed and herded cattle for centuries. The ecological niche in which they have built their lives has always been full of uncertainties – and often hardship – but now the niche on which they have built cultures of great sophistication and resilience is shrinking beneath them as desert threatens.

 

This is another paradox of climate-change politics: it is in remote places like this that climate change will hit first and hardest. It is cultures built on deep understanding of their environment – whether the Sami of the Arctic or the Dogon of the Sahara – whose way of life is the first to be threatened. Anakila's residents are the canaries down the mine, their experience a foretaste of an Earth hostile to human inhabitation. But their experience of threat, potential devastation and loss of livelihood is discounted and ignored. No dunes are threatening Manchester.

 

But Anakila's plight will come back to haunt us in two ways. The entire debate around Africa and aid will shift in coming years from one dominated by charity and post-imperial responsibility to one framed primarily around environmental justice. The continent is one of the most vulnerable, with many of its delicate ecosystems threatened, as Camilla Toulmin's charts in her book, Climate Change in Africa. It is also the least well equipped to respond – and the least responsible for the coming calamities.

 

Media attention on the climate change talks in Cancún at the end of this month will focus on the negotiations over emission cuts, but equally important is the financing of climate adaptation – at Copenhagen $100bn a year by 2020 was pledged. Detailed proposals are due to be published this week on new forms of climate financing to start bringing this into effect. But the danger is that funding for climate adaptation will be poached from aid budgets. Already the development secretary, Andrew Mitchell, has made it clear that the pledge for foreign aid of 0.7% of GDP inherited from Labour will be used to finance climate adaptation. Ensuring this money reaches communities as marginalised and as poor as Anakila is a huge challenge.

 

The second way in which Anakila affects us is even more direct. In the faces crowded around me, I realised that there was a missing generation. This was a community of the elderly and the very young, with only a few young women – and virtually no young or middle-aged men. If you have ever wondered in Paris, Barcelona or Rome where the men come from who are trying to sell armfuls of jewellery that no one seems to want, then perhaps places like Anakila might be the answer. We met one man who had got as far as Manchester twice – both times turned back.

 

Migration puts an added burden on the village. Without their labour, it is even harder to sustain and provide for the community; migration accelerates the disintegration of their way of life. The most ambitious and resourceful attempt the dangerous journey to Europe. Many others swell the sprawling growth of Bamako, one of Africa's fastest-growing cities.

 

As we left Anakila, we were given gifts – fresh milk and two hens. When might this generosity become a demand for environmental justice? When might such visits prompt anger and recriminations instead of smiles and greetings? Mali is a country of crushing poverty, and the predicted outcomes of climate change could spell catastrophe for much of the country. Back in Bamako, a government spokesperson wanted compensation put on the agenda in Cancún. It's only a matter of time before the demand for compensation becomes the rallying cry for a new generation of activists – not just in Africa, but across the globe.

 

... enfim...  Sherpas!!!...

 

publicado por sherpas às 12:51
link do post | comentar | favorito
|

... não vivo!!!...

 

… não vivo, dos outros, a vida,

quando a levo de vencida,

percorrendo meu caminho

por sinuosos atalhos,

veredas que calcorreio,

evitando fúrias, ralhos,

quase no fim do destino,

 

não me governo do alheio,

vou sempre pelo passeio,

desvio confrontos ocasionais,

dos que, de menos ou de mais,

se propõem com um fito,

impondo uma ordem, um grito,

atirando com mortos, não vivos,

passadistas congelados,

recuados, bem parados,

obliterados de pensamento,

fixantes no que se fixam,

quando endeusam, não cantam,

quedos, quando se ficam,

 

não evoluem, espantam

com obras que foram caras,

momentos que são memórias,

sentires que enlevaram

outras datas, quase raras,

águas idas, outras estórias,

 

réstias que marcaram rumos,

fogueiras que incendiaram,

esbatidas no espaço imenso,

débeis laivos, escassos fumos,

cheiros que não adormecem,

males de que alguns padecem,

 

quando passam, não fenecem,

trilhos da teimosia,

hinos do amor, da alegria,

cânticos, fantasia

que se viveu em tempos mais recuados,

sempre presentes, recordados,

 

foram marcos, foram fontes,

fronteiras, águas correntes,

povo ignorante, muitas frontes,

carneiros que eram gentes,

portas que rangeram nos gonzos,

ombros poderosos, potentes,

forças incalculáveis,

muros de tantas décadas

que em ruínas se desfizeram

quebrando enguiços, engonços,

ideias renováveis,

tempos prometedores

aliviando chagas, dores,

 

início da aventura,

descoberta, exploração,

vigilância, vida dura,

algumas mortes, estertores,

agonia de vencida,

exaltação, grandes senhores,

coragem, dedicação,

causa primeira… a Nação,

 

pioneiros de tantos irmãos,

firmeza na confusão,

certeza na convicção,

batalhas duras, férreas

que afastaram duras faces

cinzentas, que oprimiam,

andaram de boca em boca,

assentaram em tantas terras,

concretizaram façanha louca,

 

cantavam o que diziam,

afastaram prepotentes,

alimárias que não queriam,

não gostavam, não consentiam,

dar valor a inocentes,

perseguindo valentes audazes,

heróis de tempos idos,

embora mortos… não esquecidos!!!... Sherpas!!!...

 

{#emotions_dlg.confused}{#emotions_dlg.mad}{#emotions_dlg.sad}{#emotions_dlg.santarem}{#emotions_dlg.portugal}{#emotions_dlg.aveiro}{#emotions_dlg.smile}{#emotions_dlg.portalegre}{#emotions_dlg.beja} 

publicado por sherpas às 06:43
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 11 seguidores

.pesquisar

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. ... acabadinha de... cheg...

. ... sabores!!!...

. ... experimentação!!!...

. ... PIRATAS!!!...

. ... descalçar... as BOTAS...

. ... pérolas!!!...

. ... bocejo!!!...

. ... reprimenda!!!...

. ... heróis e... cavaleiro...

. ... se possível fosse!!!....

.arquivos

. Novembro 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.favoritos

. ... antes que... a vida, ...

.links

.participar

. participe neste blog

blogs SAPO

.subscrever feeds